0

Há 32 anos dançando tradições amazônicas, o balé dos pés descalços, Balé Folclórico da Amazônia, ou simplesmente BFAM, como também é conhecido, vai representar oficialmente Belém, o Pará e o Brasil no Festivals du sud, um dos mais prestigiados eventos da Europa durante os meses de julho e agosto de 2022, na França e na Espanha. Quarenta e cinco grupos folclóricos e balés participarão do festival, um dos mais importantes do mundo, dedicado às artes e tradições populares, reunindo 1.200 bailarinos e músicos de cinco continentes, com a intenção de celebrar a amizade entre os povos.

Fundada em setembro de 1990, inspirada nas manifestações da cultura popular da Amazônia brasileira, a Companhia Balé Folclórico da Amazônia  faz releituras de danças tradicionais e composições coreográficas que retratam o universo exótico e misterioso da região. Rituais, lendas, mitos, manifestações do sagrado e do profano, o amazônida e sua relação com os fenômenos da natureza, são mostrados em espetáculos de ritmos variados, profusão de cores, riqueza e variedade de figurinos e adereços, utilizando uma linguagem resultante da harmonia entre tradição e contemporaneidade. Com trilha sonora executada ao vivo por músicos profissionais que sonorizam instrumentos típicos e modernos, entre eles o multi-instrumentista Marcos Cardoso Puff, o grupo leva o público a uma viagem sensorial pela floresta. Durante toda a sua trajetória de mais de três décadas a companhia já participou de forma destacada como representante do Pará nos mais importantes festivais nacionais e representou o Brasil em festivais internacionais na Europa e Américas, incluindo onze turnês. Em 2005 conquistou para o Brasil a medalha de bronze na mostra competitiva de Dijon, na França. E foi indicado em 2009 para o prêmio Lunas del Auditório Nacional, no México, na categoria de melhor espetáculo internacional de folclore e tradição, além do prêmio de Figurino original de folclore Ciudad, no Equador. No Pará foi agraciado com os prêmios Adelermo Matos, O Theatro é Popular, e Prêmio Preamar, da Secult; Mestre Verequete, da Fumbel – Prefeitura de Belém; Seiva de Manifestação Cultural, da Fundação Cultural do Pará, e Amazônia Cultural e Prêmio Selma do Coco, ambos do Minc.

Escuridão por furto da fiação

Anterior

TSE criou GT para tratar da violência política

Próximo

Vocë pode gostar

Mais de Notícias

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *