O procurador do Ministério Público do Trabalho Sandoval Alves da Silva tomou posse na chefia da Procuradoria Regional do Trabalho da 8ª Região para o biênio de 2021-2023 enfatizando o papel decisivo do MPT na garantia dos direitos humanos. O…

Prevaleceu o bom senso e o cuidado com as pessoas. O prefeito Edmilson Rodrigues ouviu o secretário municipal de Saúde, Maurício Bezerra, e técnicos responsáveis pela vacinação e enfrentamento à Covid-19, e cancelou os desfiles das escolas de samba, blocos…

Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Civviva entrega do Prêmio Carlos Rocque

Azulejos personalizados feitos em Portugal e doados à Associação Cidade Velha-Cidade Viva (Civviva), presidida pela ativista Dulce Rosa Rocque, foram concedidos aos ganhadores do Prêmio Carlos Rocque de Reconhecimento Cultural, direcionado a cidadãos defensores do patrimônio cultural do Pará. Os contemplados são os fotógrafos Celso Abreu e Marcos André Costa e a ativista cultural Tainá Marajoara, cujos méritos foram destacados pela professora Goretti Tavares, o chef Fábio Sicília e a própria Dulce Rosa Rocque. Celso Abreu é servidor público estadual, graduado em administração, com especialização em Educação Ambiental no Núcleo de Meio Ambiente da UFPA e Gestão Pública pelo NAEA – Núcleo de Altos Estudos Amazônico. Suas fotos têm publicação em blogs, livros e revistas. Seus trabalhos acadêmicos sobre as obras do arquiteto Antônio Landi em Belém alcançaram repercussão internacional. Marcos André Costa fotografa o Roteiro Geo-Turístico (projeto de extensão do curso de Geografia da UFPA, coordenado pela professora Goretti Tavares), é especialista em Planejamento e Gestão do Turismo e do Lazer (NAEA/UFPA), bacharel em Turismo e coralista do Coro Lírico do Festival de Ópera do Theatro da Paz, regido pelo maestro Vanildo Monteiro, e do Coro Carlos Gomes, regido pela maestrina Maria Antônia Jimenez.
Músicas dos maestros Isoca, Waldemar Henrique e Jayme Ovalle foram interpretadas pela cantora lírica Gabriella Florenzano, acompanhada pela pianista Leandra Vital, em noite que incluiu uma verdadeira aula de História do Pará, ministrada pelo professor Carlos Zacca, que contou um pouco da história de Carlos Rocque.

A degustação de delícias parauaras em cuinhas com feijão manteiguinha de Santarém, farofa de aviú,  pupunhas e piquiá, doces de cupuaçu com pimenta, beiju moreno, queijo do Marajó e sucos de goiaba e taperebá foi uma atração à parte.  O projeto Cata, de Tainá Marajoara e Carlos Ruffeil, já mapeou a cultura alimentar tradicional nos cinco biomas do Pará junto aos povos e comunidades tradicionais, indígenas, ribeirinhos, mestres queijeiros de produção de leite cru, mestres de farinha e outros de cultura alimentar. O coquetel foi oferecido por Fábio Sicília, que é presidente da Abrasel, e elaborado pelo Instituto Iacitatá, de Tainá Marajoara e Carlos Ruffeil.
O professor Carlos Zacca falou sobre a vida e o legado de Carlos
Rocque(1938-2000), alcunhado “Repórter da História”:  com apenas o ensino médio, foi 
jornalista, contista
e romancista, estruturou enciclopédias e deixou importante produção histórica.
Era membro da Academia Paraense de Letras.  P
residiu a Paratur e inaugurou o Museu do Círio e o Parque Ecológico da Companhia Paraense de Turismo. Concebeu o marco ao Sesquicentenário da Cabanagem e secretariou a comissão responsável pela construção do memorial projetado por Oscar Niemeyer, no Entroncamento, em Belém. Também foi secretário executivo da comissão
responsável pelo traslado dos restos mortais do intendente e senador Antonio
Lemos para Belém em 1973. Foi, ainda, secretário executivo da comissão do centenário de nascimento do
ex-governador Magalhães Barata (1988). E acaba de ser nomeado patrono de cadeira no IHGP – Instituto Histórico e Geográfico do Pará.
Personalidades do meio cultural prestigiaram o evento, no Centro Cultural do Carmo.

Parentes de Carlos Roque. Fotos de Jean Brito.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *