Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Na quarta-feira passada, dia 24, a audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara Federal, em Brasília, era para discutir a gravíssima situação na Terra Indígena Yanomami, mas o clima de enfrentamento entre bolsonaristas e lulistas inviabilizou…

O prefeito Edmilson Rodrigues anunciou que Belém tem condições de fazer o Carnaval 2022, após reunião hoje (25) à tarde com representantes das escolas de samba e blocos carnavalescos. Ele acredita que com mais de 80% de pessoas vacinadas contra…

Ave, Mandela!


Nelson Mandela, o Madiba (reconciliador), o Pai da Pátria, que depois de 27 anos preso por lutar em favor da igualdade racial, da liberdade e da democracia pôs um fim ao regime de segregação racial na África do Sul, o apartheid, se foi ontem aos 95 anos.

 
Prêmio Nobel da Paz, em 1993, primeiro presidente negro da África do Sul, de 1994 a 1999, o líder respeitado por todo o planeta foi homenageado pela ONU, que instituiu o Dia Internacional Nelson Mandela, em defesa da luta pela liberdade, justiça e democracia.
 

De família sul-africana nobre, do povo thembu, preparado para ocupar cargo de chefia tribal, Mandela não aceitou o posto e foi cursar direito e fazer política em Joanesburgo.
Com amigos, criou a Liga Juvenil do Congresso Nacional Africano (CNA), cuja sigla em inglês é Ancyl, da qual foi eleito secretário nacional e executivo nacional do CNA. Tomou como princípio da sua política a paz.
Na prisão, não tinha contato com o exterior, não podia receber jornais nem notícias externas. Escreveu sua autobiografia.
 
A eleição de Mandela foi um marco na história do país, definindo a nova África do Sul com um processo de reconciliação entre oprimidos e opressores. Em 1992, o resultado do referendo entre os brancos deu ao governo, com mais de 68% de votos, o aval para as reformas e permitiu a Constituinte.
Em 2001, já diagnosticado com câncer de próstata, ele fazia campanha de combate à aids, um dos principais problemas de saúde pública na África do Sul. 
 
Ave, Mandela! Que seu exemplo se multiplique!

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *