A juíza Sara Augusta Pereira de Oliveira Medeiros, titular da 3ª Vara Cível, Infância e Juventude, Órfãos, Interditos e Ausentes de Castanhal (PA) exarou uma sentença emblemática, em plena Semana da Pessoa com Deficiência: obrigou a Escola Professor Antônio Leite…

Observando que é irracional o deslocamento de grande quantidade de pacientes em busca de tratamento, o Ministério Público do Pará ajuizou Ação Civil Pública contra o Estado do Pará e o Município de Marabá, para a criação de Unidade de…

O governador Helder Barbalho sanciona hoje à noite, em cerimônia no auditório do Centur, o 'Vale Gás' e o 'Água Pará', destinados a famílias de baixa renda ou em situação de vulnerabilidade social. Ambos serão gerenciados e fiscalizados pela Secretaria…

Ciclistas liderados pelo grupo Pedal Mulher Nota 100, com apoio de alunos e voluntários da Universidade Federal do Pará e da Academia Paraense de Jornalismo, realizarão uma performance, nesta quinta-feira (23), das 8h às 10h, a fim de chamar a…

Sítio histórico em Barcarena sob risco de desabar

 
Segunda maior e mais antiga do Pará, atrás apenas da igreja do Senhor dos Passos, em Vigia, a igreja de São João Batista é uma relíquia histórica datada de 1654, construída na época em que os padres jesuítas colonizaram o município de Barcarena, hoje distrito de Vila do Conde, onde
acontece a festividade de Bom Jesus dos Navegantes, comemorada junto com o dia
de São João Batista, padroeiro da cidade.

Mas o processo
histórico não é motivo de alegria para a população local. A
igreja, que está em processo de tombamento como patrimônio cultural imaterial do
Estado, corre risco de desabar, tal a 
deterioração sofrida ao o promotor de Justiça Antônio Lopes Maurício ajuizou Ação Civil Pública com pedido de liminar, em face do município de Barcarena e do prefeito Antônio Carlos Vilaça, para restauração emergencial e a longo
prazo da edificação.


Os pedidos do MPE foram deferidos em setembro
deste ano pela juíza Ângela Graziela Zottis, da 1ª Vara da Comarca da
cidade. Os serviços emergenciais já foram cumpridos pelo prefeito.
Já as obras de restauração e recuperação, que precisam ser executadas em consonância com o Instituto do Patrimônio
Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), têm prazo máximo de 12 meses e estão em fase de avaliação  técnica pel
os engenheiros. Em caso de descumprimento, a multa
diária, de R$5 mil, atingirá os bolsos do prefeito, e será destinada
à igreja.
 
O Corpo de Bombeiros fez vistoria no local em novembro de 2011 e constatou que o altar mor está com rachaduras, assim como as paredes, que também apresentam infiltrações. O telhado também está seriamente comprometido, da mesma forma que as instalações elétricas. A recomendação é que a sacristia não seja utilizada.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *