Vanete Oliveira, 28 anos, mãe de cinco filhos, vive em Portel, município do arquipélago do Marajó(PA). Ela sofre há catorze anos dores atrozes além do desconforto, trauma e todo tipo de dor física e psicológica, por conta de um tumor…

As Diretorias de Combate à Corrupção e de Polícia do Interior da Polícia Civil do Pará prenderam hoje (28), no Distrito Federal, durante a Operação "Litania”, uma falsa empresária e sócios-proprietários que utilizavam empresa de fachada como instituição financeira para…

A Secretaria de Estado da Fazenda do Pará publicou extrato de dispensa de licitação para contratar a Prodepa, por R$800.427,88, a fim de desenvolver novo site da Transparência do Governo do Pará, com criação de nova arquitetura de informação, navegação…

Andar de motocicleta proporciona histórias, experiências e adrenalina. Motos oferecem facilidade de locomoção rápida e de conseguir estacionamento. Mas a liberdade é, sem dúvida, o motivo número 1 de todo motociclista. Sentir o vento, o clima, fazer parte da paisagem. Este é…

Aumenta violência contra idosos

Só até este mês o Disque 100 registrou mais de 33.600 denúncias de violência contra idosos no Brasil. O pior é que a subnotificação é imensa e o número real é muito maior. Falta de assistência, restrição de convívio social, agressões verbais e físicas, além de exploração financeira são os principais flagelos da população mais velha. A ligação física e emocional ou o grau de dependência do idoso com o autor do crime dificulta a denúncia. Amigos, vizinhos ou qualquer pessoa que saiba das agressões têm o dever de denunciar. Unidades básicas de saúde, hospitais, clínicas, consultórios médicos e estabelecimentos congêneres – públicos e privados -, centros de saúde, médicos e demais agentes de saúde que, durante o atendimento a cidadão idoso, percebam sinais de maus tratos ao idoso devem notificar a violência. Os Centros de Referência Especializados de Assistência Social (Creas) e os Centros de Referência de Assistência Social (Cras), devem estar capacitados para identificar sinais de violência e informar às autoridades. Os casos devem ser notificados preferencialmente ao Ministério Público, ou então à Polícia Militar, Polícia Civil ou via Disque 100. Em caso de omissão, cabe processo judicial e punição administrativa.

A deficiência auditiva é uma causa das mais comuns que desencadeia violência contra os mais velhos, principalmente por parte de familiares. A violência psicológica é uma triste realidade: atos de humilhação, desvalorização moral ou deboche abalam a autoestima do idoso e resultam em depressão e distúrbios neurológicos graves.

Estudo conduzido pela socióloga Maria Cecília Minayo, pesquisadora emérita da Fundação Oswaldo Cruz, mostrou que, em todo o mundo, mais de 60% dos casos de violência contra idosos ocorrem na própria residência. “Normalmente os agressores vivem dentro de casa com a vítima. Dois terços desses agressores são filhos, que agridem mais do que as filhas, seguidos por noras ou genros, e cônjuges, nesta ordem. Os idosos quase não denunciam, por medo e para proteger os familiares”. E no Brasil mais da metade dos idosos mantém financeiramente suas famílias.

Com frequência, o idoso que não ouve bem pergunta “o quê?” várias vezes durante uma conversa. É preciso repetir quantas vezes for necessário, com frases curtas, até que ele compreenda. Nunca gritar. Ao invés de ajudar, isso dificulta o entendimento. O melhor é falar pausadamente. Gesticular também ajuda. E é necessário tratar a perda auditiva, que pode causar alguns problemas cognitivos, até Mal de Alzheimer.

É fundamental também que crianças e adolescentes que convivem com os idosos sejam educados para ter paciência e carinho com eles. O apoio dos netos e sobrinhos é fundamental para que se sintam bem à vontade em família. E nada melhor do que dar o exemplo!

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *