Em reunião conjunta das Comissões de Fiscalização Financeira e Orçamentária (CFFO) e de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa, nesta segunda-feira (18) foi aprovado o projeto de lei nº 363/2021, que autoriza o Governo do Pará a contratar operação…

Não houve o célebre círio fluvial de Oriximiná no rio Trombetas este ano, por causa da pandemia, mas a imagem de Santo Antônio flanou pelas águas, levada pela comunidade de várzea do Rio Cachoeiry, que celebrou o verão depois da…

Aprender mais sobre as boas práticas Lixo Zero e como aplicá-las no dia a dia, repensando hábitos de consumo e inspirando a população a enxergar os seus resíduos com dignidade é o que propõe a programação que acontecerá entre os…

Aprovado à unanimidade pela Assembleia Legislativa, o projeto de lei nº 245/2021, de autoria do Poder Executivo, dispondo sobre a denominação do Arquivo Público do Estado do Pará, em homenagem ao jurista e professor paraense Zeno Augusto de Bastos Veloso,…

Associação luta pelo livre ir e vir

Dulce Rosa mostra um dos exemplos de ocupação irregular
O primeiro passo – literalmente – da cidadania é poder caminhar livremente por calçadas seguras. Direito que em Belém do Pará ainda precisa ser assegurado, porque bares, estabelecimentos comerciais de modo geral, camelôs e até veículos ocupam desordenadamente os poucos espaços destinados a quem anda a pé, forçando os pedestres a ir para o meio da rua, disputando a pista com carros, o que não raro resulta e acidentes fatais. 

Pois a presidente da Associação Cidade Velha – Cidade Viva, Dulce Rosa Rocque, incansável na luta cidadã há muitas décadas, se deu ao trabalho de pesquisar as normas em vigor e descobriu coisas contraditórias e algumas até absurdas. Por exemplo: o decreto municipal nº 26578, de 13 de abril de 1994, que regulamenta o exercício da atividade de comércio ambulante, muda radicalmente o Código de Postura de Belém. Nesse período de ‘vigência’, que já ultrapassa 20 anos, a Cidade Velha foi tombada também pela União e a necessidade de salvaguardar a memória veio à tona mais uma vez. Choveram reclamações sobre o “comelódromo” na Praça República do Líbano, onde está edificada a obra-prima de Landi, a igreja de São João. Que deram em nada… Quando no verão passado começou a ver as calçadas serem ocupadas por mesas e cadeiras de bares que surgiram da noite para o dia na Trav. Dom Bosco, procurou mais bases para as reivindicações, pois outras atividades já ocupavam as calçadas em várias outras ruas. Encontrou a lei federal nº 10.257/2001, o Estatuto da Cidade. Ali está assegurado que a política urbana tem por objetivo ordenar o pleno desenvolvimento das funções sociais da cidade e da propriedade urbana, observando o dever de proteção, preservação e recuperação do meio ambiente natural e construído, do patrimônio cultural, histórico, artístico, paisagístico e arqueológico (inciso XII, art. 2º). 

Dulce Rosa lembra que, quando o decreto municipal em questão foi escrito, já havia a Constituição estabelecendo,  no seu artigo 216, inciso V, parágrafo 1º: ” O Poder Público, com a colaboração da comunidade, promoverá e protegerá o patrimônio cultural brasileiro(…)”. Em nível estadual, também já existia a lei nº 5 629, de 20 de dezembro de 1990, dispondo sobre preservação e proteção do patrimônio histórico, artístico, natural e cultural do Estado do Pará e, no âmbito municipal,  a lei nº 7709, de 18 de maio de 1994, de Belém, que dispõe sobre a preservação e proteção do patrimônio histórico, artístico, ambiental e cultural do município de Belém e dá outras providências, editada logo após o decreto nº. 26578/94. 

A brava Dulce Rosa Rocque não consegue deixar de perguntar a razão da existência dessa normativa toda, se não se veem os resultados previstos. Afinal – argumenta -, a defesa da memória histórica, na verdade, tem a necessidade de amparar, também, os direitos dos pedestres, e outras leis deixam isso claro. E para salvaguardar nossa memória é necessário que sejam respeitadas nossas lembranças. Não somente os prédios e suas cores, mas usos e costumes também, e andar pelas calçadas é um deles… Calçadas essas, da Cidade Velha, por exemplo, que quando têm um metro de largura já é muito.  

No mundo inteiro há ruas charmosas com cafés, bares e restaurantes com mesas nas calçadas. Fato. São lugares aprazíveis e que servem inclusive para estimular o turismo. Só que, no mundo civilizado, caso sejam pouco largas, as calçadas têm defensas para separar as áreas a serem usadas pelos clientes e pelos pedestres. Sem falar que, normalmente, onde não há defensas, é zona pedonal. Além de pedonal, em muitas dessas ruas só é permitido o tráfego de carros dos moradores e trabalhadores que têm garagem. 

A Associação Cidade Velha – Cidade Viva é uma das poucas que se interessa em ajudar a melhorar a cidade. É preciso que seus integrantes sejam incentivados a continuar. E que a fiscalização do poder público seja efetiva para assegurar a cidadania.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *