Vanete Oliveira, 28 anos, mãe de cinco filhos, vive em Portel, município do arquipélago do Marajó(PA). Ela sofre há catorze anos dores atrozes além do desconforto, trauma e todo tipo de dor física e psicológica, por conta de um tumor…

As Diretorias de Combate à Corrupção e de Polícia do Interior da Polícia Civil do Pará prenderam hoje (28), no Distrito Federal, durante a Operação "Litania”, uma falsa empresária e sócios-proprietários que utilizavam empresa de fachada como instituição financeira para…

A Secretaria de Estado da Fazenda do Pará publicou extrato de dispensa de licitação para contratar a Prodepa, por R$800.427,88, a fim de desenvolver novo site da Transparência do Governo do Pará, com criação de nova arquitetura de informação, navegação…

Andar de motocicleta proporciona histórias, experiências e adrenalina. Motos oferecem facilidade de locomoção rápida e de conseguir estacionamento. Mas a liberdade é, sem dúvida, o motivo número 1 de todo motociclista. Sentir o vento, o clima, fazer parte da paisagem. Este é…

Assim falou Ana Júlia

Falta alguns times, inclusive os mais tradicionais da capital, fazerem sua parte. Eu fiz a minha.”
(Espetando de leve os cartolas de Remo e Paysandu, e garantindo que ajudou o São Raimundo e reformará o Barbalhão, em Santarém).
Fui eleita por 143 municípios do Pará e deixarei o governo com 144 (Mojuí dos Campos deverá ser instalado em 2010). Sou contra a divisão – que não é apanágio para todos os males -. Querem que o governo federal banque grande parte da conta. E esse tema tem sido recorrentemente utilizado de forma politiqueira“.
(Reagindo a questionamento sobre a criação dos Estados do Tapajós e de Carajás).
Apoio os movimentos sociais, mas não a destruição, o vandalismo. Estamos investindo na regularização fundiária, para ter segurança jurídica. Temos 85 ações pedindo a anulação de 5 milhões de hectares de terras ilegalmente registradas. O CNJ já determinou que, agora, mandado de reintegração só em terras com georreferenciamento“.
(Mandando recado aos abusados do MST e aos grileiros que infestam o Pará).
A violência não se resolve só fazendo cadeia. O combate precisa de políticas públicas. Temos o Pró-Jovem, o Bolsa Trabalho, o Navega Pará, o Pronasci, envolvemos todas as Secretarias de Estado nessa luta.”
(Sobre as providências na área de Segurança Pública)

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *