Em iniciativa inédita, o Fórum de Entidades em Defesa do Patrimônio Cultural Brasileiro celebra os percursos individuais e coletivos que construíram as políticas de salvaguarda do patrimônio cultural no Brasil, lançando a obra “Em Defesa do Patrimônio Cultural”, organizado por…

Neste sábado, 16, postos de saúde ficarão abertos para a vacinação com foco em menores de 15 anos. Em Belém, 11 unidades vão funcionar das 8h às 14h. A campanha da Multivacinação iniciou no dia 04 de outubro e segue…

De autoria do carnavalesco e professor Paulo Anete, o enredo para o Carnaval 2022 da Escola de Samba Grêmio Recreativo Carnavalesco e Cultural Os Colibris, de Belém do Pará, é “Zélia Amada/ Zélia de Deus/ Zélia das Artes/ Herdeira de…

Batizada de sagui-de-Schneider (Mico schneideri), em homenagem ao pesquisador brasileiro Horácio Schneider (1948-2018), geneticista da Universidade Federal do Pará e pioneiro da filogenética molecular de primatas, a descoberta alvoroçou a comunidade científica internacional. A nova espécie de sagui amazônico do…

Navegação & energia

O blog alertou a governadora para o fato de que, desde o início, a Vale deixou claro que só vai construir a siderúrgica em Marabá se o governo cuidar da infraestrutura necessária. Ou seja, se não tiver a hidrovia Tocantins/Araguaia em operação, nada feito. E a Vale sabe muito bem que a obra da hidrovia sequer obteve licença ambiental – a que havia foi anulada, e o projeto está embargado há anos por ação do Ministério Público Federal -. Há uma área de pedrais no rio Tocantins que precisa de derrocamento (modificação geomorfológica do fundo do canal, nas áreas consideradas críticas, que sofrem um desbaste necessário para garantir a navegação dos comboios-tipo, com suas cargas plenas), além de dragagem, balizamento e sinalização, serviços especializados que demandam tempo considerável para execução. A governadora respondeu que conversou recentemente com o diretor geral do Dnit, Luiz Antonio Pagot, e que este lhe garantiu que a hidrovia será liberada em tempo hábil.

Também questionei a respeito do linhão de Tucuruí que deverá transpor o rio Amazonas para levar energia elétrica à região da Calha Norte, cuja economia está estagnada em função do apagão que lhe impõe o sistema de usinas termelétricas, caras e poluidoras. E pontuei a necessidade premente dos municípios do Marajó de ter energia do linhão, a fim de acabar com a repugnante realidade de crianças exploradas sexualmente por um litro de óleo diesel. Ana Júlia Carepa respondeu que já começou a obra do linhão para o Marajó, acelerada por iniciativa sua, e que, como trata-se de atribuição da Eletronorte, não sabe precisar a implantação do linhão para atender a Calha Norte. Entretanto, prometeu contactar com a empresa e me dar a previsão.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *