Embora o Quartel Tiradentes esteja localizado no coração do bairro do Reduto, sediando o 2º BPM e duas Companhias da Polícia Militar do Pará, os meliantes parecem desafiar abertamente os policiais. Os assaltos no bairro continuam muito frequentes, principalmente no…

Douglas da Costa Rodrigues Junior, estudante de Letras - Língua Portuguesa da Universidade Federal do Pará e bolsista do Museu Paraense Emílio Goeldi, ganhou a 18ª edição do Prêmio Destaque na Iniciação Científica e Tecnológica na área de Ciências Humanas…

O Ministério Público do Trabalho PA-AP abrirá na segunda-feira inscrições para Estágio de Nível Superior. A seleção será destinada ao preenchimento de vagas e formação do quadro de reserva de estagiários dos cursos de Administração/Gestão Pública, Biblioteconomia, Direito, Jornalismo, Publicidade/Propaganda…

Hoje, dia 23 de julho de 2021 às 19h, o Instituto Histórico e Geográfico do Pará realizada a nona “Live em Memória” da programação alusiva aos 121 anos do Silogeu, desta vez em homenagem ao centenário de nascimento do Almirante…

Assembleia pode tombar prédio federal

Boa notícia: o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, julgou improcedente ação questionando o tombamento de prédio de propriedade União por lei local. Na Ação Cível Originária (ACO) 1208, o ministro entendeu que é possível o tombamento por ato legislativo, e mais: que o Estado pode tombar bem da União. 

A discussão no caso envolve o prédio onde funciona o Museu da Força Expedicionária Brasileira, no centro de Campo Grande (MS), de propriedade do Exército. O tombamento foi aprovado pela Assembleia Legislativa do Mato Grosso do Sul, via lei estadual nº 1.524/1994.
A União alegou o princípio da hierarquia verticalizada, que impede a desapropriação de bens federais pelos estados. Sustentou, ainda, que o Legislativo estadual é incompetente para editar ato de tombamento, que seria atribuição apenas do Executivo. Mas Gilmar Mendes afirma que  não há referência a tal restrição quanto ao tombamento, disciplinado no Decreto-Lei 25/1937, n
a legislação federal que de fato veda a desapropriação dos bens da União pelos estados, nos termos do Decreto-Lei 3.365/1941

A lei de tombamento apenas indica ser aplicável a bens pertencentes a pessoas físicas e pessoas jurídicas de direito privado e de direito público interno. O ministro relator diz que o ato legislativo tem caráter provisório, ficando o tombamento permanente, este sim, restrito a ato do Executivo. 

A lei estadual questionada deve ser entendida apenas como declaração de tombamento para fins de preservação de bens de interesse local, que repercutam na memória histórica, urbanística ou cultural até que seja finalizado o procedimento subsequente, realça o ministro, que também entende que o tombamento provisório por ato legislativo não precisa ser precedido de notificação prévia da União, exigência restrita ao procedimento de tombamento definitivo promovido pelo Executivo.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *