A expectativa era grande em relação à ida do governador Helder Barbalho à Assembleia Legislativa para a leitura da Mensagem na instalação da 61ª Legislatura. Funcionou como uma espécie de termômetro da Casa, que abriga novos deputados na oposição, e…

Foram empossados hoje na Assembleia Legislativa do Pará os 41 deputados estaduais eleitos para a 61ª Legislatura (2023-2027). Em seguida houve eleição para a Presidência e a Mesa Diretora, em chapa única, tendo sido reeleito praticamente à unanimidade – por…

O governador Helder Barbalho está soltando a conta-gotas os nomes dos escolhidos para compor o primeiro escalão de seu segundo governo. Nesta quarta-feira será a posse dos deputados estaduais e federais e dos senadores, e a eleição para a Mesa…

Pela primeira vez na história, está em curso  um movimento conjunto da Academia Paraense de Letras, Academia Paraense de Jornalismo, Instituto Histórico e Geográfico do Pará e Academia Paraense de Letras Jurídicas, exposto em ofício ao governador Helder Barbalho, propondo…

Assembleia pode tombar prédio federal

Boa notícia: o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, julgou improcedente ação questionando o tombamento de prédio de propriedade União por lei local. Na Ação Cível Originária (ACO) 1208, o ministro entendeu que é possível o tombamento por ato legislativo, e mais: que o Estado pode tombar bem da União. 

A discussão no caso envolve o prédio onde funciona o Museu da Força Expedicionária Brasileira, no centro de Campo Grande (MS), de propriedade do Exército. O tombamento foi aprovado pela Assembleia Legislativa do Mato Grosso do Sul, via lei estadual nº 1.524/1994.
A União alegou o princípio da hierarquia verticalizada, que impede a desapropriação de bens federais pelos estados. Sustentou, ainda, que o Legislativo estadual é incompetente para editar ato de tombamento, que seria atribuição apenas do Executivo. Mas Gilmar Mendes afirma que  não há referência a tal restrição quanto ao tombamento, disciplinado no Decreto-Lei 25/1937, n
a legislação federal que de fato veda a desapropriação dos bens da União pelos estados, nos termos do Decreto-Lei 3.365/1941

A lei de tombamento apenas indica ser aplicável a bens pertencentes a pessoas físicas e pessoas jurídicas de direito privado e de direito público interno. O ministro relator diz que o ato legislativo tem caráter provisório, ficando o tombamento permanente, este sim, restrito a ato do Executivo. 

A lei estadual questionada deve ser entendida apenas como declaração de tombamento para fins de preservação de bens de interesse local, que repercutam na memória histórica, urbanística ou cultural até que seja finalizado o procedimento subsequente, realça o ministro, que também entende que o tombamento provisório por ato legislativo não precisa ser precedido de notificação prévia da União, exigência restrita ao procedimento de tombamento definitivo promovido pelo Executivo.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *