0

Poderia, bem blasé, dizer que é meramente “mais uma estreia”. Mas o Teatro não é assim. Para mim, um dos momentos mais deliciosos acontece cinco minutos antes de abrir o pano, enquanto ouvimos as três badaladas que antecedem a peça. Alguns encostam na parede fazendo pedidos, outros repetem o texto em algum trecho que poderiam esquecer. A atriz corre para fazer seu último xixi, outra jura que nunca mais vai se meter nisso, alguém reza, dão-se as mãos e gritam “merda”. As borboletas voam em formação de esquadrilha no estomago. Agora foi. As perguntas “será que eles vêm” e “será que vão gostar”, sobrevoam nossas cabeças. Há 50 anos trabalhando nisso, posso garantir que a emoção é a mesma. Imaginem que durante os ensaios, assistimos uma, duas vezes, a cada noite e, no entanto, é sempre um novo espetáculo.

Nesta sexta feira o Grupo Palha, comandado por Paulo Santana e Tânia Santos estréia com “Muralhas Invisíveis”, meu texto teatral mais recente. Uma equipe maravilhosa se juntou, veteranos e jovens, para produzir, como Zê Charone, Suely Brito, Pelé do Manifesto, Ismael Melo, Bboy Kekeu, Luana, Victoria, Charles Leon Serruya, Claudia Palheta e sua equipe.

Passei a maior parte da minha vida morando no Edificio Renascença, na esquina da Presidente Vargas com Riachuelo. Por ali passa o mundo. Atrás havia quarteirões que delimitavam uma zona do meretrício que hoje ainda funciona malmente. Eu as assistia passando, brigando, amando e rindo. Mais velho, começamos a nos dar bom dia, qualquer coisa assim. Quando meu grupo de teatro Cuíra construiu um teatro na esquina da Primeiro de Março, nosso primeiro espetáculo contava, metade do elenco, prostitutas felizes da vida. Poderia contar inúmeras histórias. Melhor, passamos a nos conhecer pelos nomes. A conversar. Sem julgamento. Pessoa com pessoa. Eles formavam uma espécie de cinturão de segurança para mim e todos do grupo. Houve diversas ações de cunho social. Todo esse formidável arsenal de tipos, melodias de voz, vocabulário e causos foram essenciais para a linguagem que adoto em meus livros. Então resolvi coloca-los em cena. O mundo passa na frente dessas pessoas sem eira nem beira, que vivem ou sobrevivem para o hoje, sem amanhã certo, e no entanto, não os percebemos, apressados, atentos aos celulares. Mas eles nos assistem. Têm uma vida ao mesmo tempo paupérrima e riquíssima em eventos. Histórias de vida, dramas, alegrias. Eles querem falar, contar, alguém que os escute. Foi assim. De início chamei o texto de “CEP66010-000”, que é o CEP daquela esquina. Isso evoluiu para “Muralhas Invisíveis”. Abrimos seleção de atores. Mais de 80 inscritos. Jovens, muito jovens. Há bailarinos que nunca atuaram e atores que nunca dançaram. Deram duro. Corpos doloridos, cabeças cheias. Está tudo pronto. Chamo atenção para a participação do excelente rapper Pelé do Manifesto, que neste final de semana estará no palco, interpretando as músicas que criou. São doze atores dando tudo de si. Merecíamos um teatro maior, mas é o que temos. Afinal, o Waldemar Henrique é nosso velho conhecido. São novos sonhos realizados. Fazendo, como sempre, das tripas, coração. A partir de um Prêmio Funarte, concedido ao Cuíra e a um grupo de Manaus, apenas. É a primeira vez que trabalho com Paulo Santana, o nosso melhor diretor de teatro e o resultado tem sido deslumbrante. Dreams, Amelia, Dreams and falso alarms. As borboletas estão agitadas em nossos estômagos. Estarei nos bastidores, junto aos atores, aguardando o último sinal para enfim, apresentar mais um sonho. Merda!

Edyr Augusto Proença
Paraense, escritor, começou a escrever aos 16 anos. Escreveu livros de poesia, teatro, crônicas, contos e romances, estes últimos, lançados nacionalmente pela Editora Boitempo e na França, pela Editions Asphalte.

Familiares de vítimas em Brumadinho protestam na Exposibram

Anterior

Prazo de operação da CTR Marituba esgota nesta quinta-feira

Próximo

Vocë pode gostar

23/24

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *