0

A Exposibram 2023 – Expo & Congresso Brasileiro de Mineração começa nesta segunda-feira, 28, e segue até a quinta-feira, 31 de agosto, no Hangar Centro de Convenções & Feiras da Amazônia, em Belém do Pará. A AVABRUM (Associação dos Familiares de Vítimas e Atingidos pelo Rompimento da Barragem Mina Córrego do Feijão-Brumadinho) montou um estande para conversar com o público, expondo as consequências do rompimento da barragem da Vale, que matou 272 pessoas em 25 de janeiro de 2019. A entidade pede mudanças nas leis minerárias para que a vida – e não o lucro – seja priorizada.

Mais de 4 anos e 7 meses após o colapso da barragem, o julgamento dos responsáveis pelo crime não foi realizado e os familiares clamam para que a Justiça se faça com mais celeridade. Apenas em 24 de janeiro deste ano a Justiça Federal acatou a denúncia do Ministério Público, tornando réus a Vale, a Tüv Sud e mais 16 pessoas físicas pelo rompimento da barragem. Além disso, os familiares aguardam o Encontro de Maria de Lurdes Bueno, Nathália Araújo e Tiago Silva, as três vítimas que ainda não foram localizadas, e lutam pela Memória da tragédia, para que ela não caia no esquecimento e não se repita.

A Exposibram é a maior feira de mineração da América Latina e esta é a quarta edição que conta com a presença dos familiares das vítimas da tragédia-crime de Brumadinho. No estande da AVABRUM, eles estarão disponíveis para conversar com os visitantes sobre tudo o que vivem desde 25 de janeiro de 2019, quando ocorreu o rompimento da barragem. Estarão expostas as 272 fotos das vítimas que morreram, cartazes, livros, revistas, matérias de jornais e vídeos. No espaço, também serão distribuídos flyers de conscientização e com história da organização e botons.

Maria Regina da Silva, diretora da AVABRUM, explica que a ação dos familiares na feira é muito importante para fortalecer a luta pela não repetição do crime. Ela é mãe de Priscila Elen Silva, que trabalhava na Vale como técnica em manutenção. “A gente gostaria de mostrar em todos os lugares onde existe uma barragem como foi a destruição e o mal que o crime da Vale em Brumadinho causou às famílias, aos trabalhadores e à comunidade”, afirma.

Jacira Francisca Costa, também diretora da AVABRUM, reforça a relevância da presença dos familiares das vítimas da barragem de Brumadinho na Exposibram: “Vamos mostrar os contras da mineração, pois a falta de cuidado, de prevenção e a ganância mataram 272 pessoas em Minas Gerais. Queremos justiça para esse crime cruel, covarde, e que ele não caia no esquecimento”, diz a mãe de Thiago Mateus Costa, que era mecânico na barragem da Vale.

“Se a gente tivesse se perguntado mais quando aconteceu em Mariana, e até mesmo exigido que a empresa nos explicasse o ocorrido, talvez hoje não estivéssemos com o peso tão grande dessa perda horrível”, acrescenta Maria Regina, se referindo à barragem do Fundão, que rompeu em novembro de 2015 e matou 19 pessoas na cidade de Mariana(MG).

“A AVABRUM luta por justiça, encontro, memória, não repetição do crime da Vale e direitos dos familiares. E, na Exposibram, podemos mostrar a nossa luta dia após dia para que esse crime horrível não se repita”, reforça Jacira.

Realizada anualmente pelo Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram), a Exposibram é uma feira internacional e conta com a participação das principais entidades relacionadas ao setor mineral, sendo a maior vitrine para geração de negócios deste mercado. Já o congresso debate cenários e revela as tendências do segmento.

“Muralhas Invisíveis” no Teatro Waldemar Henrique

Anterior

As muralhas invisíveis

Próximo

Vocë pode gostar

Mais de Notícias

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *