Nesta quinta-feira, dia 21, até o sábado, 23, a Escola do Legislativo da Assembleia Legislativa do Pará oferece os cursos de qualificação e atualização do projeto Forma Alepa/Elepa Itinerante em Santarém, atendendo toda a região do Baixo Amazonas, abrangendo também…

Em reunião conjunta das Comissões de Fiscalização Financeira e Orçamentária (CFFO) e de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa, nesta segunda-feira (18) foi aprovado o projeto de lei nº 363/2021, que autoriza o Governo do Pará a contratar operação…

Não houve o célebre círio fluvial de Oriximiná no rio Trombetas este ano, por causa da pandemia, mas a imagem de Santo Antônio flanou pelas águas, levada pela comunidade de várzea do Rio Cachoeiry, que celebrou o verão depois da…

Aprender mais sobre as boas práticas Lixo Zero e como aplicá-las no dia a dia, repensando hábitos de consumo e inspirando a população a enxergar os seus resíduos com dignidade é o que propõe a programação que acontecerá entre os…

Artesãos parauaras expõem peças cirianas

Foto:Eliseu Dias
Imagens em resina com caroços de açaí tingidos, criação da artesã Sílvia Alencar, por apenas R$ 10; adornos, camisas, bolsas, chaveiros e outras peças com a temática da época nazarena, em formatos, matérias-primas e preços diversosMantos bordados e pintados à mão, confeccionados em tecido, com sementes de açaí, contas de pérolas, flores metalizadas e outros materiais, das artesãs Maria das Graças Menezes e Benedita Rodrigues, também podem ser encontrados na Casa do Artesão, do Espaço São José Liberto, em Belém, em diversos tamanhos e preços que vão de R$ 20 a R$ 50. 

Mais de 700 artesãos, que integram o Programa Polo Joalheiro do Pará e criam diferentes peças inspiradas no Círio de Nazaré, este ano superam a si mesmos em modernidade, sofisticação e sustentabilidade. 

Doca Leite, especialista em cerâmica marajoara desde 1978 e que também faz parte do Polo Joalheiro, além dos objetos utilitários e decorativos cria réplicas da imagem de Nossa Senhora de Nazaré com mantos marajoaras, expressão típica da cultura parauara, inspirado nos ribeirinhos que singram os rios e se unem à multidão que enche a capital paraense no Círio de Nazaré. Os preços variam entre R$ 20 e R$ 150, de acordo com os tamanhos. Com a produção de peças exclusivas, Doca ganhou, em 2006, o título de “Artesão n° 1 do Brasil”, concedido pelo Sebrae. Pelo conjunto da obra, em março deste ano, foi um dos oito artesãos homenageados na exposição “Os Mestres da Casa do Artesão”, promovida pelas Secretarias de Estado de Indústria, Comércio e Mineração (Seicom) e de Trabalho, Emprego e Renda (Seter), Federação das Cooperativas de Artesãos do Pará (Facapa) e pelo Instituto de Gemas e Joias da Amazônia (Igama). 

Eliete Ricardo, que também integra o Polo Joalheiro, é autodidata e trabalha há cerca de três anos na confecção de imagens de gesso com mantos. 

Serviço: os produtos artesanais do Círio são encontrados na Casa do Artesão do Espaço São José Liberto (Praça Amazonas, s/nº, bairro do Jurunas). O local funciona de terça-feira a sábado, das 9h às 19h, e aos domingos e feriados das 10h às 18h. No mês de outubro abre às segundas-feiras e, no dia 12 de outubro, domingo do Círio, em horário especial, das 14h às 18h.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *