A expectativa era grande em relação à ida do governador Helder Barbalho à Assembleia Legislativa para a leitura da Mensagem na instalação da 61ª Legislatura. Funcionou como uma espécie de termômetro da Casa, que abriga novos deputados na oposição, e…

Foram empossados hoje na Assembleia Legislativa do Pará os 41 deputados estaduais eleitos para a 61ª Legislatura (2023-2027). Em seguida houve eleição para a Presidência e a Mesa Diretora, em chapa única, tendo sido reeleito praticamente à unanimidade – por…

O governador Helder Barbalho está soltando a conta-gotas os nomes dos escolhidos para compor o primeiro escalão de seu segundo governo. Nesta quarta-feira será a posse dos deputados estaduais e federais e dos senadores, e a eleição para a Mesa…

Pela primeira vez na história, está em curso  um movimento conjunto da Academia Paraense de Letras, Academia Paraense de Jornalismo, Instituto Histórico e Geográfico do Pará e Academia Paraense de Letras Jurídicas, exposto em ofício ao governador Helder Barbalho, propondo…

Aproveitamento hidroviário no turismo e no transporte coletivo

A Secretaria Estadual de Turismo do Rio de Janeiro executa um estudo para propor a ligação entre os aeroportos via Baía de Guanabara com serviços de barcas. O projeto de interesse turístico da pasta considera usar as estações já existentes na Praça XV, no centro histórico, e em Cocotá, no bairro da Ilha do Governador, para criar a linha de barcas Santos Dumont-Galeão.

O aproveitamento do transporte hidroviário é a melhor alternativa econômica e social na região metropolitana de Belém do Pará, onde o trânsito mata mais do que em guerras e acaba com a qualidade de vida dos que moram ou trabalham na área. Viagens de lancha de Benevides, Marituba, Ananindeua, Mosqueiro, Cotijuba, Icoaraci e Outeiro desafogariam a conturbada e violenta BR-316 e a rodovia Augusto Montenegro, permitiriam que as pessoas não precisassem madrugar para poder chegar ao trabalho em Belém e vice-versa, evitariam acidentes e reduziriam ao mínimo a poluição. Poderiam aportar em vários pontos: UFPA, Ver-O-Peso, Porto do Sal, Praça Princesa Isabel e no terminal hidroviário Luiz Rebelo, que é subutilizado, além de vários portinhos que já existem há décadas mas que precisam oferecer dignidade aos usuários. Nada de idosos, crianças e pessoas com deficiência se equilibrando em pranchas balançantes.

O sucesso do ferry boat da Henvil que faz a travessia Icoaraci-Camará (Belém-Salvaterra, no arquipélago do Marajó) com conforto e segurança, atraindo turistas, deveria se desdobrar. Não há justificativa para um Estado com as dimensões do Pará, no meio da maior bacia hidrográfica do planeta, ficar à mercê de rodovias esburacadas, sem meio-fio, mal sinalizadas e sem equipamentos de socorro como ambulâncias, guinchos, refúgios e telefones, por onde trafegam coletivos velhos, sujos, desconfortáveis e que ficam retidos em engarrafamentos, panes, acidentes ou movimentos de protesto, além de causarem mortes e mutilações, prejuízos financeiros e poluição ambiental.

Desfazer a histórica distorção da matriz de transportes brasileira que privilegia o rodoviarismo em detrimento do aproveitamento do imenso potencial hidroviário, principalmente em plena bacia amazônica, é desafio que se impõe.

Utilizar o transporte aquaviário na Amazônia, em um município que tem 39 ilhas, salta aos olhos que é imperioso. Deveria ser obrigatório. Assim manda o bom senso. Isso data de décadas e é um problema nacional, criado para atender interesses da indústria automobilística e das empresas de transporte de cargas e passageiros, que se imbricou de tal forma com a politicagem a ponto de se tornar muito difícil de resolver. Foto: Fernando Sette.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *