A empresa de ônibus Belém-Rio, que faz a linha para o distrito de Outeiro – Ilha de Caratateua, em Belém, aparentemente está falida e reduziu pela metade a sua frota, causando enorme sofrimento aos usuários do transporte coletivo. O serviço,…

A Cosanpa abriu nada menos que seiscentos buracos imensos nos bairros mais movimentados de Belém, infernizando a vida de todo mundo com engarrafamentos e causando graves riscos de acidentes, principalmente porque chove sempre, e quando as ruas alagam os buracos…

O Procurador-Geral de Justiça César Mattar Jr. inaugurou nesta quinta-feira, 16, o Núcleo Eleitoral do Ministério Público do Estado do Pará, que vai funcionar na sede das Promotorias de Justiça de Icoaraci, distrito de Belém. O coordenador será o promotor…

A desembargadora Maria de Nazaré Saavedra Guimarães, que se destaca pelo belo trabalho que desenvolve à frente da Comissão de Ações Judiciais em Direitos Humanos e Repercussão Social do Tribunal de Justiça do Estado do Pará, e que já coordenou…

Aos da Guitarrada

                     

Vocês precisam ouvir o novo CD do lendário Sebastião Tapajós, “Aos da Guitarrada”. Está uma delícia! Assisti ao concerto de lançamento ontem à noite e passei o dia ouvindo. São nove músicas, todas de autoria de Sebastião Tapajós, exceto “Cumbia Pedreirense”, que ele compôs em parceria com o percussionista Márcio Jardim. Na banda, ao violão, Sérgio Abalos; no baixo, Dhionny Vianna; no piano, Anderson Dourado; e na bateria e percussão, Márcio Jardim. 

Ontem a noite patrocinada pela Azevedo Barbosa foi mesmo cinco estrelas. Além do show lindo, todos ganhamos o CD e a biografia de Sebastião Tapajós, organizada pelo historiador santareno Cristovam Sena, em homenagem aos 50 anos de carreira do grande violonista, que também foi homenageado pela Sociedade Médico-Cirúrgica do Pará, que completa cem anos e cuja diretoria, junto com a presidente, Dra. Cléa Bichara, foi em peso entregar o título honorífico.

Fica para reflexão dos amantes da música a declaração do artista, estampada na contra-capa do livro: 

“Para ser bem sincero, o violão é a razão da minha vida. Ele é para mim, desde a minha infância, em Santarém, a ajuda indispensável para uma boa comunicação. Naquele tempo, eu sonhava com o violão, sobretudo com o que poderia conseguir com ele e através dele. Nesse sonho, havia uma espécie de mundo mágico, onde só existiam sons e eu era aquele que, em pensamento, os colocava em sequência, sem entender, naquele tempo, algo de música.”

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *