1

“Pantera” pesa 180 quilos e foi solta nas proximidades do campo de provas Brigadeiro Velloso, pertencente à Força Aérea Brasileira, em Novo Progresso (PA). A área, com cerca de 22 mil km2, conta com diversos cursos d’água e recursos alimentares que ampliam as chances de sobrevivência e potencializa a reprodução do animal. O trabalho foi acompanhado pelos militares e teve duração de mais de 24h. Em junho deste ano, Pantera foi resgatada por equipes da Via Brasil BR-163, na altura do Km 941 da rodovia Santarém-Cuiabá, com indícios de atropelamento, em Itaúba (MT). O mamífero, uma fêmea, foi para uma clínica veterinária especializada em animais silvestres, em Sorriso (MT), e ali recebeu o apelido.

“Ela chegou muito debilitada e uma equipe foi mobilizada para garantir o suporte básico de vida. Foram mais de 60 dias de cuidado e “Pantera” comeu cerca de 500 quilos de frutas, 60 de ração e 2.700 folhas de embaúbas, além de medicamentos, curativos e até fisioterapia. A sensação é dever cumprido!”, ressalta a Dra. Lilian Caldeira, veterinária responsável pelo tratamento.

Passados dois meses de cuidados especiais, a anta recebeu alta veterinária e uma operação especial de soltura foi planejada e executada.

“Ficamos muito felizes com a notícia da soltura da “Pantera”. Esse foi um resgate desafiador, mas seguimos os procedimentos para resguardar a segurança dela e dos usuários. Tínhamos certeza de que ela sobreviveria”, contam os operadores Giancarlos e David, responsáveis pelo resgate e encaminhamento.

A empresa, concessionária da BR-163, avisa que o usuário que se deparar com presença de animais próximo à rodovia deve informar pelo 0800 5000 163 ou para a Polícia Rodoviária Federal, pelo 191. Além disso, há 4 bases de atendimento ao longo do trecho, em que é possível comunicar diretamente aos operadores.

A BR-163 tem 97 passagens de fauna, que funcionam como corredores para a travessia segura de animais, e 40 pontos com câmeras auxiliam o trabalho de diagnóstico pela equipe de Meio Ambiente.

De novembro de 2022 até agosto de 2023, a empresa já atuou em mais de 3,4 mil ocorrências envolvendo animais, o que inclui afugentamento e recolhimento para locais mais seguros. Os atropelamentos somaram no período cerca de 2,2 mil ocorrências. Entre os espécimes mais comuns encontrados estão cachorro-do-mato; jiboia; tatu-galinha e tamanduá-mirim.

ANIMAIS NA PISTA: O QUE FAZER E O QUE NÃO FAZER?

  • Manter atenção no trajeto e distância dos veículos à frente.
  • Trafegar respeitando os limites de velocidade.
  • Não acelerar, nem realizar freadas bruscas. Não buzine.
  • Se estiver muito próximo do animal, reduza a velocidade e tente desviar pela parte traseira dele.
  • À noite, não jogar farol alto, pois isso pode causar confusão de orientação.
  • Sinalize para os condutores em sentido contrário piscando o farol alto.
  • Não pare no local nem faça registros de vídeo ou foto. Essa situação coloca em risco o animal e o motorista.
  • Em um local seguro, informe o avistamento para a concessionária (0800 5000 163), pessoalmente nas bases, ou para a Polícia Rodoviária Federal (191).

APL lança livro de Breno Aciolly ilustrado por Oswaldo Goeldi

Anterior

Criação da Esec Mamuru entre Aveiro e Juruti

Próximo

Vocë pode gostar

Mais de Notícias

1 Comentário

  1. Belo exemplo dado pelo pessoal de Mato Grosso, cuidando, re-abilitando, e todo um plano de soltura e reintegração ao habitat natural da Anta.
    Parabéns a todos os envolvidos nesta tarefa.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *