Nesta quinta-feira, dia 21, até o sábado, 23, a Escola do Legislativo da Assembleia Legislativa do Pará oferece os cursos de qualificação e atualização do projeto Forma Alepa/Elepa Itinerante em Santarém, atendendo toda a região do Baixo Amazonas, abrangendo também…

Em reunião conjunta das Comissões de Fiscalização Financeira e Orçamentária (CFFO) e de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa, nesta segunda-feira (18) foi aprovado o projeto de lei nº 363/2021, que autoriza o Governo do Pará a contratar operação…

Não houve o célebre círio fluvial de Oriximiná no rio Trombetas este ano, por causa da pandemia, mas a imagem de Santo Antônio flanou pelas águas, levada pela comunidade de várzea do Rio Cachoeiry, que celebrou o verão depois da…

Aprender mais sobre as boas práticas Lixo Zero e como aplicá-las no dia a dia, repensando hábitos de consumo e inspirando a população a enxergar os seus resíduos com dignidade é o que propõe a programação que acontecerá entre os…

Aneel cobra taxa mas não fiscaliza Celpa

Celpa é uma das piores concessionárias de energia do País em satisfação dos consumidores. Quem diz isto é a Agência Nacional de Energia Elétrica. Aumentos elevados e súbitos nas contas de luz são as mais frequentes denúncias quanto aos abusos da empresa. 

Só nos últimos 12 meses, foram 3.374 reclamações de consumidores paraenses. Mas, desde março de 2016, a Aneel interrompeu um convênio que já durava 17 anos com a Arcon (Agência de Regulação e Controle de Serviços Públicos do Estado do Pará). E desde então ninguém fiscaliza a Celpa. 

Acontece que todo santo mês é paga a taxa de fiscalização dos serviços de energia, o valor é embutido em cada conta de luz. Desde que a fiscalização foi paralisada já foram arrecadados indevidamente R$ 12,5 milhões. A Arcon diz que o convênio foi interrompido por problemas orçamentários da Aneel, que por sua vez alega não poder manter o convênio porque a direção da Arcon é passível de livre exoneração pelo governo estadual, contrariando regulamento do setor elétrico, o que não é verdade: a única modificação no estatuto da Arcon foi a redução do mandato da diretoria de quatro para dois anos. 


Agora, o procurador da República Bruno Valente deu prazo de 30 dias para a Aneel voltar a fiscalizar a Celpa ou então restabelecer o convênio.


Mas o distinto contribuinte gostaria de saber onde foi parar o dinheiro da taxa e que ele seja abatido até o último tostão, já que não foi usado como deveria, na fiscalização. 


Leiam aqui a íntegra da recomendação do MPF.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *