A igreja de São Francisco de Assis em Belém do Pará, carinhosamente chamada pelos fiéis de "Capuchinhos", completará cem anos de sua inauguração em 02 de outubro de 2022. A abertura oficial das festividades será com um concerto na igreja…

O trânsito continua matando mais do que muitas guerras. A administradora Gina Barbosa Calzavara, coordenadora dos bosquinhos da Universidade Federal do Pará, fez uma emocionante homenagem à memória do jovem Jean Serique Lameira, esportista do ciclismo e que também usava…

O Laboratório de Engenharia Biológica do Parque de Ciência e Tecnologia - PCT Guamá está estudando o sequenciamento genético do açaí, de modo a assegurar a rastreabilidade de ponta a ponta na cadeia produtiva e padrões de qualidade para os…

A Lei estadual nº 9.278/2021, que entrou em vigor em 30 de junho deste ano, instituindo a obrigação de que pessoas residentes em condomínios, conjuntos habitacionais e similares comuniquem à Polícia Civil, de forma imediata, qualquer tipo de agressão praticada…

Ana Júlia Carepa volta a ser elegível

O ministro Henrique Neves, do TSE, relator da ação cautelar inominada nº 673-96.2014.6.00.0000, concedeu liminar suspendendo os efeitos do Acórdão nº 26.322 do TRE-PA, de 17/12/2013, publicado em 21/02/2014, que cassou os direitos políticos da ex-governadora Ana Júlia Carepa(PT) por oito anos subsequentes a 2010, assim como de seu então vice Anivaldo Vale(PR), por suposta prática de abuso do poder político e conduta vedada (“celebração desmedida e irregular de convênios e repasse de valores a prefeituras correligionárias, às vésperas e em pleno período vedado, sem critério de políticas públicas e com desvio de finalidade, resultando em uma desequilíbrio de oportunidades entre os concorrentes ao pleito”). A decisão confirma a condição de elegibilidade de Ana Júlia na hora “H”, visto que o prazo para registro de candidaturas encerra no próximo dia 5.


Em sua defesa, a ex-governadora alegou que os recursos repassados aos municípios não se tratavam de transferências voluntárias, e sim do estrito cumprimento de lei estadual, que estabelecia as localidades atendidas, o montante financeiro e o prazo para os respectivos repasses; que os convênios só ocorreram em data próxima ao período eleitoral em razão da demora da aprovação do projeto de lei enviado à Alepa ainda em 2009; que a lei não permitia a discricionariedade quanto à oportunidade da destinação desses recursos; que diversas obras atendidas não se iniciaram durante o período vedado; que o TRE-PA, para a condenação, considerou convênios que não foram indicados na petição inicial; e que não teriam sido favorecidos apenas municípios cujos prefeitos seriam filiados a partidos que formaram a coligação pela qual concorreu.


O ministro relator considerou as teses desenvolvidas no recurso ordinário relevantes e entendeu ser prudente conceder liminar atribuindo efeito suspensivo ao Recurso Ordinário nº 1546-48, assim como a todos os efeitos do acórdão do TRE-PA proferido nos autos da AIJE nº 1546-48.

Segundo o advogado Juliann Lennon Aleixo, Ana Júlia confia na justiça eleitoral brasileira e, quando o mérito dos processos principal e cautelar for apreciado pelo TSE, restará provado que ela não praticou qualquer ato de ilegalidade ou contrário à legislação eleitoral. 


Verifiquem a tramitação processual e leiam a íntegra da liminar aqui.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *