A expectativa era grande em relação à ida do governador Helder Barbalho à Assembleia Legislativa para a leitura da Mensagem na instalação da 61ª Legislatura. Funcionou como uma espécie de termômetro da Casa, que abriga novos deputados na oposição, e…

Foram empossados hoje na Assembleia Legislativa do Pará os 41 deputados estaduais eleitos para a 61ª Legislatura (2023-2027). Em seguida houve eleição para a Presidência e a Mesa Diretora, em chapa única, tendo sido reeleito praticamente à unanimidade – por…

O governador Helder Barbalho está soltando a conta-gotas os nomes dos escolhidos para compor o primeiro escalão de seu segundo governo. Nesta quarta-feira será a posse dos deputados estaduais e federais e dos senadores, e a eleição para a Mesa…

Pela primeira vez na história, está em curso  um movimento conjunto da Academia Paraense de Letras, Academia Paraense de Jornalismo, Instituto Histórico e Geográfico do Pará e Academia Paraense de Letras Jurídicas, exposto em ofício ao governador Helder Barbalho, propondo…

Ambientalistas querem melar acordos do Pará em Glasgow

O governo do Pará levou grande comitiva para a COP26, em Glasgow, na Escócia, encabeçada pelo governador Helder Barbalho. Até a secretária de Cultura, Úrsula Vidal. Outra que anunciou nas redes sociais o embarque para lá foi a deputada estadual Marinor Brito e na ocasião ninguém entendeu. Mas hoje organizações nacionais e internacionais, entre os quais Movimento Xingu Vivo para Sempre, Instituto Socioambiental (ISA), Amazon Watch, International Rivers, Mining Watch Canadá e Associação Interamericana para a Defesa do Ambiente – AIDA, divulgaram um documento que será entregue a países com os quais o Pará negocia subsídios para ações de combate às mudanças climáticas. O governo do Pará pretende que Reino Unido, Estados Unidos, Alemanha e Noruega assinem um memorando de intenções para captar investimentos em bioeconomia, neste sábado (6), no Espaço Brazil Hub, em Glasgow. A carta, intitulada “Contradições da “política verde” declarada pelo governo do Pará”, será entregue nessa ocasião. Aos financiadores internacionais as organizações ambientalistas fazem um alerta, questionam a postura do governo estadual em relação à conservação ambiental e ao respeito dos direitos socioambientais e culturais de povos indígenas e tradicionais, e aproveitam a visibilidade da COP26 para pressionar a comunidade internacional. A ação bate forte no governador Helder Barbalho, e conta com o apoio declarado da deputada Marinor Brito e da deputada federal Vivi Reis, ambas do PSOL-PA, que é aliado do governador.

As entidades ambientalistas contestam o anúncio do Pará como um dos estados líderes em políticas verdes e desenvolvimento sustentável no Brasil. Sustentam que a estratégia estadual de bioeconomia é genérica e ainda sem propostas sólidas além da criação de um grupo de trabalho, e que atribuiu à Secretaria Estadual de Meio Ambiente (Semas) poderes desproporcionais, além de não detalhar quais tipos de atividade serão consideradas sustentáveis ou consultar populações indígenas.

“Vemos com grande preocupação que o único órgão ambiental do estado com competência para atestar a viabilidade socioambiental dos projetos acumulará as funções de planejamento e monitoramento do Plano Estadual de Bioeconomia e do Plano Estadual de Mudanças Climáticas. A monopolização de todas as pontas das atividades econômicas consideradas pelo governo como de ‘bioeconomia’ cria um conflito de interesses para a Semas, uma vez que se torna o órgão responsável por criar a dotação orçamentária, definir as atividades prioritárias e aprovar seus respectivos estudos de impacto. Urgimos pela necessidade de que o órgão avaliador das atividades nocivas ao meio ambiente e à população seja imparcial e tenha como premissa a proteção ambiental e garantia dos direitos humanos das populações tradicionais”, detalha a carta.

O documento acentua a aprovação acelerada de licenças ambientais para projetos em áreas sensíveis e exemplifica com o da mineração Volta Grande, liderado pela empresa canadense Belo Sun. O projeto a ser instalado no já fragilizado território do Xingu se anuncia como o maior de mineração de ouro a céu aberto na Amazônia. Ele tem acumulado processos judiciais, que questionam desde aspectos técnicos da sua formulação até a grave falta de participação das populações indígenas e tradicionais nos processos de consulta.
Os ambientalistas dizem abertamente que a intenção da carta é mostrar que a administração pública do Pará não cumpre o que promete e não tem condições de honrar os compromissos de redução do desmatamento e emissão de gases de efeito estufa. “Atentamos para o fato de que não há ‘desenvolvimento verde’ sem a inclusão e participação das comunidades amazônicas. A inclusão dos saberes tradicionais é um quesito essencial de qualquer tentativa de bioeconomia na Amazônia, além de ser um direito previsto no artigo 7º da Convenção 169 da OIT. Cabe ao governo assegurar a participação da população na formulação, aplicação e avaliação dos planos e programas de desenvolvimento nacional e regional suscetíveis de afetá-la diretamente, em respeito à Constituição Federal e a todos os tratados e convenções internacionais dos quais o Brasil é signatário”, proclamam.

Leiam o inteiro teor da carta clicando aqui.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Participe da discussão

1 comentário

  1. Triste Franssinete, você agora ser porta voz do Governo do Estado e Alepa. Me diga o que de proveitoso este passeio teve para o Estado? Me diga o que Ursula, aquela que construiu um puxadinho no Complexo Feliz Luzitania em um lugar tombado para beneficiar o dono do restaurante seu amigo em completo desrespeito as normas, foi fazer neste passeio? Uma pena que perdemos um Blog que publicava aquilo que a grande imprensa cooptada por este Governo não publicavam.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *