Hoje a Assembleia Legislativa do Pará retomou seus trabalhos no segundo período legislativo do terceiro ano da da 19ª Legislatura, de forma totalmente presencial, apesar da reforma do prédio sede do Palácio Cabanagem e do próprio plenário Newton Miranda. Após…

Em visita oficial, a Academia Paraense de Jornalismo e a Comissão de Defesa do Patrimônio Histórico do Instituto Histórico e Geográfico do Pará pediu ao prefeito de Belém, Edmilson Rodrigues, o veto à alteração dos nomes da Rua da Municipalidade…

O IV Distrito Naval da Marinha do Brasil, em parceria com o Ministério Público do Estado do Pará (MPPA), Praticagem da Barra do Pará, Sociedade Amigos da Marinha Pará, Secretarias de Saúde de Barcarena e do Estado do Pará, Tribunal…

Guy Veloso, filho do saudoso jurista, notário e político Zeno Veloso, plantou em sua memória um pé de baobá na Universidade Federal do Pará, onde o ilustre parauara se destacou como professor de direito civil e direito constitucional, formando gerações…

Alô, MPF!

Em Juruti, moradores denunciam contaminação das águas de rios e igarapés no municí­pio, desde o início deste ano.

A Alcoa diz que chuvas intensas, aliadas à movimentação de solo necessária para a execução das obras de terraplanagem da sua rodovia e ferrovia provocaram o aumento temporário da turbidez das águas, mas jura que os impactos são temporários e reversí­veis na qualidade da água superficial e que foram previstos pelo EIA/Rima do empreendimento, aprovados pelo órgão ambiental.
A mineradora acusa o pastoreio de gado bovino, equino e bubalino, o desmatamento de matas ciliares nas áreas de proteção ambiental em torno dos igarapés, e queimadas como os maiores responsáveis pelos impactos ao meio ambiente local.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *