Barcos regionais a motor, veleiros, vigilengas, rabetas, bajaras, canoas ubás, igarités, catraias, botes fazem parte da memória afetiva, produtiva e econômica parauara, navegando pelo oceano Atlântico, baías, rios que mais parecem mares, lagos, igarapés, furos, estreitos, igapós e campos alagados…

Embora o Quartel Tiradentes esteja localizado no coração do bairro do Reduto, sediando o 2º BPM e duas Companhias da Polícia Militar do Pará, os meliantes parecem desafiar abertamente os policiais. Os assaltos no bairro continuam muito frequentes, principalmente no…

Douglas da Costa Rodrigues Junior, estudante de Letras - Língua Portuguesa da Universidade Federal do Pará e bolsista do Museu Paraense Emílio Goeldi, ganhou a 18ª edição do Prêmio Destaque na Iniciação Científica e Tecnológica na área de Ciências Humanas…

O Ministério Público do Trabalho PA-AP abrirá na segunda-feira inscrições para Estágio de Nível Superior. A seleção será destinada ao preenchimento de vagas e formação do quadro de reserva de estagiários dos cursos de Administração/Gestão Pública, Biblioteconomia, Direito, Jornalismo, Publicidade/Propaganda…

Alepa celebra 117 anos do IHGP

Amanhã, às 9h, a Assembleia Legislativa do Pará realiza sessão solene em homenagem aos 117 anos do Instituto Histórico e Geográfico do Pará. A iniciativa é do deputado Carlos Bordalo (PT) e o presidente da Alepa, deputado Márcio Miranda, é autor de requerimento de aplausos ao IHGP, criado no dia 3 de maio de 1900 pelo então governador Paes de Carvalho ao lado de um grupo de intelectuais, dentre os quais se destacava Domingos Antônio Raiol. O acervo da vetusta instituição reúne obras bibliográficas, iconográficas e importante documentação manuscrita e impressa, datada do início do século XVIII, fundamental para os estudos sobre a história de Belém, seus aspectos políticos, sociais e culturais.

A consulta dos Livros de Sepultamento do Cemitério da Soledade, por exemplo, possibilita pesquisas sob o ponto de vista da história demográfica. Em 1944, o prefeito Alberto Engelhard doou ao IHGP do prédio Solar do Barão do Guajará, com os móveis da família e a biblioteca do barão. A edificação, uma joia da arquitetura, erguida no início do século XIX em estilo neoclássico, é também parte integrante do patrimônio histórico e arquitetônico de Belém, tombada em 1950 pelo Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. 

O IHGP é um ícone do apogeu econômico e social parauara, na belle époque. O Theatro da Paz havia sido inaugurado e grandes artistas chegavam à cidade trazendo suas obras. Belém era um grande centro de comercialização, havia uma riqueza fabulosa produzida pelo extrativismo da borracha, colocando a capital paraense em destaque internacional. Os costumes se transformavam, as festas de igreja passavam a grandes bailes e os filhos das famílias abastadas iam estudar na Europa, principalmente na França. Belém era considerada a Paris na América. Para fortalecer esse vínculo cultural, Paes de Carvalho resolveu então criar duas instituições, a Academia Paraense de Letras e o Instituto Histórico e Geográfico do Pará, recorda o pesquisador José Leôncio Siqueira, ocupante da cadeira nº 39, cujo patrono é Theodoro Braga, e diretor de Comunicação do IHGP. 

Naquela época não existiam faculdades no Pará, então os grandes intelectuais foram convidados a fundar a instituição. Atualmente são 70 cadeiras e os associados mantêm o instituto com uma mensalidade de R$100, insuficiente para financiar as necessárias reformas e menos ainda a ampliação do acervo. 

Localizado na rua do Aveiro (antiga Tomázia Perdigão), nº 62, no bairro da Cidade Velha, em Belém, o IHGP mantém uma biblioteca com mais de 50 mil títulos, que remontam ao ano 1.700, dos quais grande parte era da coleção original do Barão,inclusive documentos, cartas, mapas, pinturas e armas. Há mais de mil fotos históricas do séc. XIX e um material dado como perdido: atas e correspondências das sessões da Câmara Municipal de Belém.

A partir de projeto de lei do deputado Raimundo Santos, presidente da Comissão de Constituição e Justiça da Alepa, cujo relator foi o então deputado José Megale, o IHGP foi reconhecido de utilidade pública estadual.  

Domingos Antonio Raiol, o Barão do Guajará, herdou o prédio ao se casar com a sobrinha do Visconde de Arari. O Barão morreu nessa casa em 1912, aos 82 anos de idade e, em 1942, o então prefeito de Belém, Abelardo Leão Conduru, adquiriu o prédio de um de seus herdeiros e com ele os móveis e a biblioteca. 

Sempre foi objetivo do IHGP promover estudos e explorações geográficas, investigações históricas, arqueológicas e etnográficas, de sorte a acumular crescentes dados para o domínio e o conhecimento dos homens de ciência. Na virada do séc XIX, o Instituto Histórico e Etnográfico do Pará, como inicialmente era denominado, se colocou na condição de intérprete e “guardião do passado”, cultuando os grandes vultos e heróis, exaltando as narrativas históricas e biográficas. Entre os patronos das cadeiras do Instituto figuram Jorge Hurley, Palma Muniz, Euclides da Cunha, José Veríssimo, Theodoro Braga, Tito de Almeida e Hygino Amanajás. 

Entretanto, o Instituto se desestruturou, sendo refundado em 1917 como parte importante das ações cívicas programadas pela intelectualidade local desde 1916, em comemoração ao Tricentenário de Belém, e logo ganhou apoio da oficialidade republicana e da imprensa local. Belém, na primeira década do século XX, vivia a euforia trazida pelo boom da borracha, respirava modernidade. 

A professora Anaíza Vergolino, atual presidente do IHGP, tomou para si a tarefa hercúlea de ressignificar o lugar e o papel do IHGP na História. O Hino do IHGP é parte desse reflorescimento, com letra do advogado e escritor Célio Simões e música do desembargador federal do Trabalho Vicente Malheiros da Fonseca, ambos membros efetivos da entidade centenária, da qual tenho a honra de ser sócia honorária.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *