Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Na quarta-feira passada, dia 24, a audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara Federal, em Brasília, era para discutir a gravíssima situação na Terra Indígena Yanomami, mas o clima de enfrentamento entre bolsonaristas e lulistas inviabilizou…

O prefeito Edmilson Rodrigues anunciou que Belém tem condições de fazer o Carnaval 2022, após reunião hoje (25) à tarde com representantes das escolas de samba e blocos carnavalescos. Ele acredita que com mais de 80% de pessoas vacinadas contra…

Águas rasas

As PPP – Parcerias Público-Privadas, poderiam ser a grande solução para o Brasil. Sem a paquidérmica burocracia, poderiam oferecer gestão ágil e eficiente. Mas são um risco enorme, pela corrupção que historicamente permeia os contratos públicos, que não raro reservam em seus preços a ponta para o caixa dois da campanha, quando não o percentual pessoal dos intermediários – ou as duas coisas.

No Brasil, a iniciativa privada está acostumada a não correr riscos desnecessários. Contribui nas campanhas políticas e depois usufrui nas obras e serviços públicos. E nunca, jamais, aposta o seu próprio dinheirinho. Quando privatizada a telefonia, foi com o dinheiro do BNDES e dos fundos de pensão. A Vale, idem. A Celpa é emblemática. Em todos esses anos não investiu na ampliação junto aos clientes de média e baixa renda e a boa samaritana Eletrobras/Eletronorte, agora, vem cumprir essa parte, porque à empresa só interessou o lucro. Não investiu e o povo, oh!….

Sabem por que nenhum governador do Pará conseguiu delegar à iniciativa privada a necessária duplicação do trajeto Belém/Salinas? Porque, lógico, só interessa o filé, que é a BR-316/010. As rodovias estaduais, de Santa Maria em diante (PA-324 e PA-124) não têm volume de tráfego significativo e são carne de pescoço. Ou puro osso, mesmo. E as empresas não querem saber de contra-peso.

Nos hospitais públicos, o sistema de OS é, tecnicamente, perfeito. Mas somos testemunhas da sua prática: o controle tem sido distribuído conforme acordos políticos. E a população fica desassistida, humilhada e tripudiada.

Com a água e outros serviços de Belém não é diferente. O perigo é real e imediato.

E ninguém, na Câmara Municipal, está tratando do tema com a seriedade que ele merece. Os argumentos postos têm sido de uma superficialidade atroz.

Está passando da hora de mergulhar no que está por trás de tal projeto. Ou ele é extinto ou o prefeito extingue os belemenses.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *