Não houve o célebre círio fluvial de Oriximiná no rio Trombetas este ano, por causa da pandemia, mas a imagem de Santo Antônio flanou pelas águas, levada pela comunidade de várzea do Rio Cachoeiry, que celebrou o verão depois da…

Aprender mais sobre as boas práticas Lixo Zero e como aplicá-las no dia a dia, repensando hábitos de consumo e inspirando a população a enxergar os seus resíduos com dignidade é o que propõe a programação que acontecerá entre os…

Aprovado à unanimidade pela Assembleia Legislativa, o projeto de lei nº 245/2021, de autoria do Poder Executivo, dispondo sobre a denominação do Arquivo Público do Estado do Pará, em homenagem ao jurista e professor paraense Zeno Augusto de Bastos Veloso,…

Ontem duas famílias viveram momentos de terror, vítimas de assalto à mão armada por volta das 13 horas, durante passeio no Parque do Utinga, um dos lugares mais lindos de Belém e importante equipamento turístico parauara. Trata-se do oitavo roubo…

Adeus a Tânia Campos


Tânia Campos, violista santarena, perdeu hoje de madrugada a luta contra o câncer, aos 48 anos. Era expoente da quarta geração musical da família Fonseca, filha de Miguel Augusto Fonseca de Campos (cantor, flautista e violonista) e de Tânia Guerreiro, neta de Maria Annita Fonseca de Campos (pianista e professora de música, irmã de Wilson Fonseca – o maestro Isoca), e bisneta de José Agostinho da FonsecaA musicista programava este ano ir a Santarém fazer master class na Escola de Música Wilson Fonseca, dirigida por Agostinho Fonseca, filho caçula de Isoca.

Tânia iniciou seus estudos aos 8 anos na Escola de Música de Brasília, concluiu o ensino médio nos EUA, na Interlochen Arts Academy, o bacharelado pela Western Michigan University e o mestrado pelo Cleveland Institute of Music. Foi violista do Youngstown Symphony String Quartet e primeira viola da Youngstown Symphony Orchestra (Ohio). Integrou as Sinfônicas de Kalamazoo e Battle Creek (Michigan), a Wheeling Symphony (West Virginia), a Erie Philharmonic (Pennsylvania) como concertino e a Warren Chamber Orchestra (Ohio). Foi professora do Allegheny College (Pennsylvania). 

Ao lado da irmã, Andréa Campos, Tânia integrou o Duo Violapso, o Trio Súbito, o Quarteto Vienarte, a Orquestra de Câmara Engenho Barroco, a Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (Osesp), a Orquestra de Câmara Bachiana, a Orquestra Jazz Sinfônica do Estado de São Paulo e a Orquestra Municipal de São Paulo, além de outras. Solou com a Orquestra de Câmara de Brasília, apresentou-se inúmeras vezes como recitalista no Brasil e nos EUA, e foi premiada em diversos concursos para solistas, tendo conquistado o “Presidential Scholar” da Western Michigan University. Juntas gravaram discos. Ultimamente, integravam a Orquestra Sinfônica Municipal de São Paulo, a Bachiana Chamber Orchestra (dirigida pelo maestro João Carlos Martins) e conjuntos camerísticos. 

O desembargador do Trabalho Vicente Malheiros da Fonseca compôs uma Elegia para Taninha, que retornou à Orquestra do Senhor. Paz à sua alma e consolo à sua família!

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *