Barcos regionais a motor, veleiros, vigilengas, rabetas, bajaras, canoas ubás, igarités, catraias, botes fazem parte da memória afetiva, produtiva e econômica parauara, navegando pelo oceano Atlântico, baías, rios que mais parecem mares, lagos, igarapés, furos, estreitos, igapós e campos alagados…

Embora o Quartel Tiradentes esteja localizado no coração do bairro do Reduto, sediando o 2º BPM e duas Companhias da Polícia Militar do Pará, os meliantes parecem desafiar abertamente os policiais. Os assaltos no bairro continuam muito frequentes, principalmente no…

Douglas da Costa Rodrigues Junior, estudante de Letras - Língua Portuguesa da Universidade Federal do Pará e bolsista do Museu Paraense Emílio Goeldi, ganhou a 18ª edição do Prêmio Destaque na Iniciação Científica e Tecnológica na área de Ciências Humanas…

O Ministério Público do Trabalho PA-AP abrirá na segunda-feira inscrições para Estágio de Nível Superior. A seleção será destinada ao preenchimento de vagas e formação do quadro de reserva de estagiários dos cursos de Administração/Gestão Pública, Biblioteconomia, Direito, Jornalismo, Publicidade/Propaganda…

Adeus a Renato Mindello


Estou muito chocada e triste com a morte do advogado Renato Mindello, meu amigo há mais de trinta anos, vítima de infarto fulminante, ontem. Era irreverente, ácido, irônico, mas também doce e, sobretudo, amigo de seus amigos. Culto, curioso insaciável, se interessava por tudo, desde muito jovem: literatura, arte, política, Direito e até moda. Sua casa era um verdadeiro museu, tantas as peças de colecionador. Quando ninguém ainda usava por aqui, por exemplo, ele teve a ousadia de um dia aparecer de terno e tênis e gravatinha borboleta colorida, no escritório do então deputado Ronaldo Passarinho, na época o político mais influente e poderoso do Pará, sem se importar com a inevitável gozação dos amigos. Na nossa juventude, ouvíamos música no estúdio nos fundos da casa de seus pais, na Av. Gentil Bittencourt, que tinha um acervo incrível de discos e revestimento acústico, assim podíamos aumentar o volume sem incomodar ninguém, até altas horas, beber vinho, comer pizza, dar gargalhadas. Devorava livros, consumia obras de arte vorazmente, sentia prazer no debate. Era capaz de conviver harmoniosamente com pensamentos contrários. Quero lembrar do Renatinho sempre assim, com o seu sorriso alegre estampado no semblante inteligente. Vai com Deus, querido amigo, na senda da luz e da paz eterna! E que Deus conforte sua família.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *