Vanete Oliveira, 28 anos, mãe de cinco filhos, vive em Portel, município do arquipélago do Marajó(PA). Ela sofre há catorze anos dores atrozes além do desconforto, trauma e todo tipo de dor física e psicológica, por conta de um tumor…

As Diretorias de Combate à Corrupção e de Polícia do Interior da Polícia Civil do Pará prenderam hoje (28), no Distrito Federal, durante a Operação "Litania”, uma falsa empresária e sócios-proprietários que utilizavam empresa de fachada como instituição financeira para…

A Secretaria de Estado da Fazenda do Pará publicou extrato de dispensa de licitação para contratar a Prodepa, por R$800.427,88, a fim de desenvolver novo site da Transparência do Governo do Pará, com criação de nova arquitetura de informação, navegação…

Andar de motocicleta proporciona histórias, experiências e adrenalina. Motos oferecem facilidade de locomoção rápida e de conseguir estacionamento. Mas a liberdade é, sem dúvida, o motivo número 1 de todo motociclista. Sentir o vento, o clima, fazer parte da paisagem. Este é…

Acusados vítimas de acusadores

Karllana Cordovil de Carvalho e João Pedro de Sousa Pauperio, proprietários de um bar no bairro do Reduto, em Belém, foram presos na quinta-feira (25), sob acusação de tráfico de drogas. Os nomes e as imagens deles foram expostos na mídia, veicularam várias matérias imputando a eles graves delitos. Agora, o Judiciário reconheceu a ilegalidade da prisão e a inocência de ambos: os policiais invadiram o local, sem mandado judicial, e João foi detido antes da revista na casa. Mais: a decisão judicial aponta que o casal “já vinha denunciando às corregedorias de policial civil e militar a tentativa de extorsão por parte de policiais praticada contra os presos e contra o estabelecimento comercial”, realçando que “não é comum que um traficante de droga se exponha voluntariamente diante da polícia, inclusive recorrendo ao órgão correcional da mesma” e que os dois já haviam manifestado “a preocupação antiga […] em que a polícia pudesse imputar ao local a pecha de ponto de venda de drogas”. E agora? As Polícias Civil e Militar vão instaurar procedimento para investigar a conduta de seus agentes? Tomarão decisões eficazes? O caso é absurdo e merece reflexão. Principalmente porque houve mancha indelével da reputação do casal e de seu estabelecimento. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *