A equipe multidisciplinar do centro obstétrico da Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará, em Belém (PA), vivenciou uma experiência rara e emocionante: o parto empelicado. Imaginem um bebê nascendo dentro da placenta intacta, com os movimentos visíveis, praticamente ainda…

Em ação civil coletiva do Sindicato dos Profissionais de Enfermagem, Técnico Duchista, Massagista, Empregados em Hospitais e Casa de Saúde do Estado do Pará, na qual o Ministério Público do Trabalho PA-AP atuou como fiscal da lei, a 2ª Vara…

Patrick Luis Cruz de Sousa, candidato a presidente do Conselho Regional de Farmácia do Pará pela Chapa 1 e atual conselheiro do CRF-PA, discursa na campanha em favor das mulheres, que representam 70% da categoria, mas no início deste ano…

A 27ª Unidade de Conservação do Estado do Pará abrange os municípios de Jacareacanga e Novo Progresso, no sudoeste paraense. O Decreto nº 1.944/2021 foi assinado pelo governador Helder Barbalho na quinta-feira, 21, e publicado ontem (22) no Diário Oficial…

Desa. Murrieta presa aos 80 anos

Por determinação da juíza titular da 5ª Vara Criminal de Belém, Rosi Faria Gomes de Farias, a desembargadora aposentada do Tribunal de Justiça do Pará Ana Tereza Murrieta estava presa em uma cela do Corpo de Bombeiros desde a  sexta-feira, 26. Salvo engano, é a primeira vez na história do Pará que um magistrado de carreira do TJE-PA vai para a cadeia, em decisão já transitada em julgado. Aos 80 anos, ela é condenada a prisão em regime fechado por desvio de R$ 3 milhões de contas judiciais no Banco do Estado do Pará  sob a responsabilidade do juízo da 1ª Vara Cível – da qual era titular no período entre 1996 e 2001, época em que também presidia o Fórum Cível de Belém. 

No primeiro julgamento, em 2005, a desembargadora Murrieta foi condenada a 12 anos de prisão pelo juiz Paulo Jussara,  mas no ano seguinte o Superior Tribunal de Justiça anulou a sentença, acatando a alegação do advogado de defesa, Osvaldo Serrão, de que o juiz tinha sido apontado pelo TJE-PA e não sorteado pela distribuição. Em novo julgamento, em junho de 2007, sobreveio nova condenação, a 13 anos e 4 meses de prisão, por decisão do então juiz titular da 6ª Vara Criminal, Pedro Sotero, depois de constatar, em avaliação psiquiátrica pelo Instituto Renato Chaves, que a alegação da defesa de que ela sofria de distúrbio bipolar não se sustentava. 

De lá para cá, foram muitos os recursos protelatórios, até que o TJ resolveu mandar cumprir a sentença, agora. Aos 80 anos, ela já foi beneficiada pelo juiz Cláudio Rendeiro com prisão domiciliar, a exemplo da turma do Mensalão. Afinal, a partir dos 70, as penas caem pela metade, e seu advogado apresentou laudos atestando doença grave. Quem teve seu dinheiro desviado até hoje continua sem. Algumas das vítimas até já faleceram sem conseguir o dinheiro de volta. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *