Não houve o célebre círio fluvial de Oriximiná no rio Trombetas este ano, por causa da pandemia, mas a imagem de Santo Antônio flanou pelas águas, levada pela comunidade de várzea do Rio Cachoeiry, que celebrou o verão depois da…

Aprender mais sobre as boas práticas Lixo Zero e como aplicá-las no dia a dia, repensando hábitos de consumo e inspirando a população a enxergar os seus resíduos com dignidade é o que propõe a programação que acontecerá entre os…

Aprovado à unanimidade pela Assembleia Legislativa, o projeto de lei nº 245/2021, de autoria do Poder Executivo, dispondo sobre a denominação do Arquivo Público do Estado do Pará, em homenagem ao jurista e professor paraense Zeno Augusto de Bastos Veloso,…

Ontem duas famílias viveram momentos de terror, vítimas de assalto à mão armada por volta das 13 horas, durante passeio no Parque do Utinga, um dos lugares mais lindos de Belém e importante equipamento turístico parauara. Trata-se do oitavo roubo…

Abandono da Transamazônica e Santarém/Cuiabá

A
situação da BR-230 (rodovia Transamazônica) e da BR-163 (a Santarém/Cuiabá) é calamitosa,
no trecho paraense. O abandono da população dos municípios do oeste do Pará,
principalmente no trecho de Medicilândia a Rurópolis, se arrasta há décadas: construídas
no início dos anos 1970, durante o regime militar, no governo do general Médici,
a BR-230 até hoje tem cerca de 200 Km em leito de terra, intrafegáveis,
coalhados de buracos, lama e atoleiro durante os seis meses do inverno
amazônico, cenário que se alterna para buracos, poeira e mato durante  os  seis
meses de verão, e a BR-163 continua ao longo de 150 Km em idênticas condições.
Um imenso eixo rodoviário que, combinado com os caudalosos rios da região, poderia
trabalhar a multimodalidade e revolucionar o escoamento de cargas, amenizando o
quadro dramático da infraestrutura do Brasil, e proporcionar significativa
economia do custo de transporte, tornando competitivos os produtos nacionais no
mercado mundial, permanece há 45 anos em total esquecimento pelo governo federal.
O
deputado Eraldo Pimenta(PMDB) denunciou, da tribuna da Assembleia Legislativa,
o caos nas estradas da Transamazônica. Por conta dos imensos atoleiro, as
cidades ficam desabastecidas de alimentos e de remédios, populações inteiras
isoladas, sem esperança de uma vida digna. Exemplo desse quadro funesto é o
sufoco vivido por Everson de Brito Silva, conhecido pelo nome artístico de
Tirullipa, humorista e músico cearense de stand up filho do palhaço Tiririca,
atual deputado federal. Contratado para um show em Itaituba, o artista se
apresentou na sexta-feira passada (3) em Santarém e, depois de ficar durante
dez horas com seu micro-ônibus atolado na Transamazônica, fez um desabafo que
viralizou nas redes sociais, com direito a apelos ao presidente Michel Temer
para que asfalte a rodovia, o que foi prometido por todos os presidentes das
últimas quatro décadas – e nenhum cumpriu.
Na
época do “milagre brasileiro”, o governo federal se lançou ao delírio de
construir 15 mil quilômetros de rodovias na região amazônica. Tal projeto fazia
parte do Plano de Integração Nacional (PIN), instituído pelo Decreto-lei nº
1.106, de 16 de junho de 1970, que tinha como principais objetivos deslocar a
fronteira econômica, e, notadamente, a fronteira agrícola, para as margens do
rio Amazonas; integrar a estratégia de ocupação econômica da Amazônia; e criar as
condições para a incorporação à economia de mercado de amplas faixas de
população antes dissolvidas na economia de subsistência.
A
Transamazônica, inaugurada em 27 de agosto de 1972, foi projetada para ter oito
mil quilômetros, ligando as regiões Norte e Nordeste do Brasil com Peru e
Equador. Mas está inacabada até hoje: foram construídos apenas 4.223 Km,
ligando a cidade de Cabedelo, na Paraíba, a Lábrea, no Amazonas, passando por
sete Estados brasileiros: Paraíba, Ceará, Piauí, Maranhão, Tocantins, Pará e
Amazonas.
Os
impactos sociais e ambientais foram catastróficos. Segundo os dados do
Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), de 1973 e 1983, os
municípios de Marabá, Itupiranga, São João do Araguaia, Tucuruí e Jacundá,
todos no Pará, cortados pela Transamazônica, saíram de 57.510 habitantes, em
1970, para 187.336 em 1980, ou seja, um crescimento de 225.75%, sem qualquer
planejamento e muito menos amparo. Já Conceição do Araguaia, Santana do
Araguaia e São Felix do Xingu, mais ao sul do Estado, contavam com 40.370
habitantes, em 1970, passando para 130.029, em 1980, com crescimento de
222.09%. 
A
Comissão Nacional da Verdade apurou que houve extermínio de 29 grupos indígenas
que viviam isolados na região. Os Aikewara e os Parakanã tiveram a sua
população dizimada. Ainda nos dias atuais há desmatamento da floresta
nativa, transporte ilegal de cargas de madeira e de castanha-do-pará.
O
contexto é funesto e o futuro se avizinha sombrio. Quantas milhares de famílias
ainda sofrerão e morrerão por conta dos atoleiros que são fruto do descaso em
relação aos nortistas é uma conta que pesará um dia quando a História cobrar as
devidas responsabilidades dos que governam o País. 


Assistam ao vídeo aí em cima. Ele foi feito há um mês e mostra só um pouco do estado sinistro da Transamazônica.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *