Barcos regionais a motor, veleiros, vigilengas, rabetas, bajaras, canoas ubás, igarités, catraias, botes fazem parte da memória afetiva, produtiva e econômica parauara, navegando pelo oceano Atlântico, baías, rios que mais parecem mares, lagos, igarapés, furos, estreitos, igapós e campos alagados…

Embora o Quartel Tiradentes esteja localizado no coração do bairro do Reduto, sediando o 2º BPM e duas Companhias da Polícia Militar do Pará, os meliantes parecem desafiar abertamente os policiais. Os assaltos no bairro continuam muito frequentes, principalmente no…

Douglas da Costa Rodrigues Junior, estudante de Letras - Língua Portuguesa da Universidade Federal do Pará e bolsista do Museu Paraense Emílio Goeldi, ganhou a 18ª edição do Prêmio Destaque na Iniciação Científica e Tecnológica na área de Ciências Humanas…

O Ministério Público do Trabalho PA-AP abrirá na segunda-feira inscrições para Estágio de Nível Superior. A seleção será destinada ao preenchimento de vagas e formação do quadro de reserva de estagiários dos cursos de Administração/Gestão Pública, Biblioteconomia, Direito, Jornalismo, Publicidade/Propaganda…

A violência não pode se banalizar

Os moradores do Conjunto Maguari, em Belém, estão desesperados e já não sabem mais a quem recorrer. A ilustração aí em cima foi postada no Facebook e logo pipocaram informações sobre os pontos críticos, que na verdade abrangem a área inteira, com detalhes de que a Alameda 28, além de point dos bandidos, é local de fuga para o Tenoné, e a Alameda 3 rota de fuga para o Tocantins. Proliferam assaltos e tráfico de drogas. O medo toma conta da população.

O bairro Água Boa, na ilha do Outeiro, também é considerado zona vermelha. Hoje, às 5:30h, minha empregada doméstica foi assaltada lá, em uma parada de ônibus, e se esquivou de um soco. O bandido levou sua bolsa com o dinheiro que reservara para comprar gás e pagar contas, além dos documentos, e um rapaz que acudiu aos seus gritos, além de também ser assaltado, foi esfaqueado. A patrulha da PM apareceu algum tempo depois mas não localizou o meliante. As duas vítimas não quiseram registrar B.O., porque não confiam na eficácia da Polícia. Nunca souberam de um assaltante preso. Quando muito, sai no dia seguinte (eis o sub-registro de que sempre falo). Um dos PMs, mesmo sem conhecê-la, tirou do próprio bolso e deu o dinheiro para a passagem de ônibus dela. Um gesto digno de nota e que revela a beleza da solidariedade em meio à violência.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *