Governador do Pará e presidente do Consórcio de Governadores da Amazônia Legal, Helder Barbalho está com agenda intensa em Brasília, e em reunião com Lula nesta sexta-feira (27) apresentou documento proposto pelo CAL. Para o desenvolvimento regional do bioma amazônico,…

O Papa Francisco nomeou o atual bispo da prelazia de Marajó (PA), Dom Evaristo Pascoal Spengler, bispo de Roraima (RR), que estava sem titular há um ano, desde a transferência de Dom Mário Antônio da Silva para a arquidiocese de…

Utilizar o futebol como ferramenta de transformação social para crianças e adolescentes de todo o Pará é o objetivo do projeto "Futebol Formando Cidadão", que será lançado neste domingo (29) no oeste paraense. A iniciativa é do Tapajós Futebol Clube,…

No próximo sábado, 28, é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Esta semana, foram divulgados dados da Secretaria de Inspeção do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) referente a 2022, quando foram resgatados 2.575 trabalhadores em condições análogas…

A história das ruas de Belém surrupiada

É muito triste o que está acontecendo com as placas de identificação das ruas de Belém. Sem o menor respeito pela memória, a prefeitura não fiscaliza a empresa que contratou para o serviço e produz absurdos revoltantes como o da foto do advogado e escritor Sebastião Godinho, mostrando o que fizeram na placa da Travessa Benjamin Constant, antiga Rua da Princesa, que interliga o bairro do Reduto aos bairros de Nazaré e Batista Campos.

A rua foi palco de fatos históricos. Conforme relato do historiador Carlos Rocque (“História de A Província do Pará”), em 28 de agosto de 1912, no cruzamento da Benjamin Constant com a avenida Nazaré, às 21h, o líder político Lauro Sodré foi tocaiado. No tiroteio, uma criança foi atingida. Bombeiros e capangas de Sodré, que seguiam no meio do cortejo popular, mataram o atirador, identificado como João Colé, membro da “Liga de Resistência ao Lemismo”. 

No dia seguinte, 29, a capa de A Província do Pará estampou o fato e no mesmo dia o jornal, que funcionava onde hoje é o IEP, na esquina da Praça da República, foi incendiado por adversários políticos de Antônio Lemos, insuflados pelos demais jornais da cidade – Folha do Norte, O Estado do Pará, A Capital e O Critério. 

Sitiados no prédio, Humberto de Campos, Ricardo Borges e Romeu Mariz fecharam as portas, ligaram a eletrificação das grades e responderam ao tiroteio. Mas faltou luz, e eles ficaram sem defesa. Pediram socorro à Polícia Militar. Um pelotão foi enviado, comandado pelo capitão Pedro Nolasco, que nada fez. Apelaram ao Corpo de Bombeiros, que quando chegou, ao invés de água, jogou combustível. Recorreram ao Exército, que só chegou ao local quando tudo estava consumado.

No dia 30 de agosto, Antonio Lemos sofreu brutal atentado: foi cuspido, arrastado na rua, pisoteado, teve a casa incendiada e partiu para o exílio, auxiliado pelo inimigo Lauro Sodré, que o salvou da morte.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *