A expectativa era grande em relação à ida do governador Helder Barbalho à Assembleia Legislativa para a leitura da Mensagem na instalação da 61ª Legislatura. Funcionou como uma espécie de termômetro da Casa, que abriga novos deputados na oposição, e…

Foram empossados hoje na Assembleia Legislativa do Pará os 41 deputados estaduais eleitos para a 61ª Legislatura (2023-2027). Em seguida houve eleição para a Presidência e a Mesa Diretora, em chapa única, tendo sido reeleito praticamente à unanimidade – por…

O governador Helder Barbalho está soltando a conta-gotas os nomes dos escolhidos para compor o primeiro escalão de seu segundo governo. Nesta quarta-feira será a posse dos deputados estaduais e federais e dos senadores, e a eleição para a Mesa…

Pela primeira vez na história, está em curso  um movimento conjunto da Academia Paraense de Letras, Academia Paraense de Jornalismo, Instituto Histórico e Geográfico do Pará e Academia Paraense de Letras Jurídicas, exposto em ofício ao governador Helder Barbalho, propondo…

A fantástica Pororoca em Chaves

A palavra é oriunda do Tupi, e significa estrondo. Isto porque a pororoca consiste no choque das águas do rio com as do mar, formando uma enorme onda, quando acontece naturalmente um barulho estrondoso que alvoroça os ribeirinhos amazônicos, aves e seres aquáticos. Em média, a previsão do fenômeno pode ser feita duas horas antes de acontecer. A pororoca fica mais forte nos meses de março e setembro, porque há o alinhamento da lua, do sol e da terra, o que incide diretamente na gravidade. As fases da lua influenciam no acontecimento, principalmente na lua nova e na lua cheia. A gravidade está relacionada ao processo: o mar fica alto e a água doce desce. A inversão permite que a água do mar avance. A pororoca pode alcançar até quatro metros de altura, com onda que dura uma hora, podendo avançar rio adentro ao longo de cinquenta quilômetros e provocar impactos significativos no solo, como a erosão das margens do rio.

Acabou na semana passada o 24º Surf na Pororoca em Chaves, município do arquipélago do Marajó, no estado do Pará. Alguns dos melhores surfistas do Brasil, como Fábio Gouveia, o campeão mundial de skimboard (derivação moderna do antigo Sonrisal, com pranchas redondas), Lucas Fink, além dos ex-CT ‘s Ian Gouveia e Raoni Monteiro participaram da expedição. Além do Desafio do Surfe, uma extensa programação cultural agitou os marajoaras, surfistas e turistas. A ação incluiu também um debate acerca do manejo e utilização dos resíduos produzidos pelo homem.

O Surf na Pororoca também tem sua parte mística. No ritual Auera-Auara, celebração simbólica da vida e do ecossistema, os atletas assumem o compromisso de preservar as águas e as matas e pedem proteção às forças da natureza. Comandados pelo Pajé Muyu Araripi (surfista Marcelo Bibita), ao por do sol os surfistas pintam o rosto, reúnem ao redor de uma fogueira entoando o mantra Auera-Auara para atingir uma espécie de transe que, segundo o Pajé, os conecta com a energia da pororoca. Auera-Auara!

A realização do evento é da Abraspo e Fepasurf.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *