Governador do Pará e presidente do Consórcio de Governadores da Amazônia Legal, Helder Barbalho está com agenda intensa em Brasília, e em reunião com Lula nesta sexta-feira (27) apresentou documento proposto pelo CAL. Para o desenvolvimento regional do bioma amazônico,…

O Papa Francisco nomeou o atual bispo da prelazia de Marajó (PA), Dom Evaristo Pascoal Spengler, bispo de Roraima (RR), que estava sem titular há um ano, desde a transferência de Dom Mário Antônio da Silva para a arquidiocese de…

Utilizar o futebol como ferramenta de transformação social para crianças e adolescentes de todo o Pará é o objetivo do projeto "Futebol Formando Cidadão", que será lançado neste domingo (29) no oeste paraense. A iniciativa é do Tapajós Futebol Clube,…

No próximo sábado, 28, é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Esta semana, foram divulgados dados da Secretaria de Inspeção do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) referente a 2022, quando foram resgatados 2.575 trabalhadores em condições análogas…

A direita em choque

DEM e PSL ainda nem consumaram a fusão, prevista para outubro deste ano, mas a briga já é de foice. O ex-presidente do Senado Davi Alcolumbre e o ex-prefeito de Salvador ACM Neto duelam nos bastidores pelo comando do novo partido de direita, que teria a maior bancada federal. As divergências vão além: ACM Neto não concorda com a ideia de a sigla descartar publicamente, desde logo, apoio a Jair Bolsonaro em 2022. Como se sabe, quem – ainda – manda no PSL nacional é o deputado Luciano Bivar, que trocou de mal à morte com seu antigo amigo de infância Jair Bolsonaro.

E não se pode olvidar que o DEM tem em seus quadros o deputado federal Luis Miranda, aquele que escancarou uma das principais denúncias contra o governo bolsonarista e que é investigada pela Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19.

Dentro de um ideário de direita, o novo partido é um saco de gatos: há políticos ressentidos com o governo Bolsonaro, devotos do presidente da República e entusiastas de uma terceira via presidencial. Por enquanto, o grupo tem três pretendentes à Presidência da República: o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), o ex-ministro da Saúde Henrique Mandetta (DEM-GO e o apresentador de TV José Luiz Datena (PSL-SP).

De Norte a Sul, de Leste a Oeste, políticos das duas agremiações ameaçam debandada em seus respectivos estados. A queda de braço inclui tempero parauara: o deputado federal Celso Sabino, ex-tucano e atual bolsonarista raiz, assumiu a presidência do PSL estadual. Se na fusão a nova sigla for contrária a Bolsonaro, vai ficar numa situação difícil, apesar de ter reservado há um ano esse espaço para si.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *