Não houve o célebre círio fluvial de Oriximiná no rio Trombetas este ano, por causa da pandemia, mas a imagem de Santo Antônio flanou pelas águas, levada pela comunidade de várzea do Rio Cachoeiry, que celebrou o verão depois da…

Aprender mais sobre as boas práticas Lixo Zero e como aplicá-las no dia a dia, repensando hábitos de consumo e inspirando a população a enxergar os seus resíduos com dignidade é o que propõe a programação que acontecerá entre os…

Aprovado à unanimidade pela Assembleia Legislativa, o projeto de lei nº 245/2021, de autoria do Poder Executivo, dispondo sobre a denominação do Arquivo Público do Estado do Pará, em homenagem ao jurista e professor paraense Zeno Augusto de Bastos Veloso,…

Ontem duas famílias viveram momentos de terror, vítimas de assalto à mão armada por volta das 13 horas, durante passeio no Parque do Utinga, um dos lugares mais lindos de Belém e importante equipamento turístico parauara. Trata-se do oitavo roubo…

A direita em choque

DEM e PSL ainda nem consumaram a fusão, prevista para outubro deste ano, mas a briga já é de foice. O ex-presidente do Senado Davi Alcolumbre e o ex-prefeito de Salvador ACM Neto duelam nos bastidores pelo comando do novo partido de direita, que teria a maior bancada federal. As divergências vão além: ACM Neto não concorda com a ideia de a sigla descartar publicamente, desde logo, apoio a Jair Bolsonaro em 2022. Como se sabe, quem – ainda – manda no PSL nacional é o deputado Luciano Bivar, que trocou de mal à morte com seu antigo amigo de infância Jair Bolsonaro.

E não se pode olvidar que o DEM tem em seus quadros o deputado federal Luis Miranda, aquele que escancarou uma das principais denúncias contra o governo bolsonarista e que é investigada pela Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19.

Dentro de um ideário de direita, o novo partido é um saco de gatos: há políticos ressentidos com o governo Bolsonaro, devotos do presidente da República e entusiastas de uma terceira via presidencial. Por enquanto, o grupo tem três pretendentes à Presidência da República: o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), o ex-ministro da Saúde Henrique Mandetta (DEM-GO e o apresentador de TV José Luiz Datena (PSL-SP).

De Norte a Sul, de Leste a Oeste, políticos das duas agremiações ameaçam debandada em seus respectivos estados. A queda de braço inclui tempero parauara: o deputado federal Celso Sabino, ex-tucano e atual bolsonarista raiz, assumiu a presidência do PSL estadual. Se na fusão a nova sigla for contrária a Bolsonaro, vai ficar numa situação difícil, apesar de ter reservado há um ano esse espaço para si.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *