O Procurador-Geral de Justiça César Mattar Jr. inaugurou nesta quinta-feira, 16, o Núcleo Eleitoral do Ministério Público do Estado do Pará, que vai funcionar na sede das Promotorias de Justiça de Icoaraci, distrito de Belém. O coordenador será o promotor…

A desembargadora Maria de Nazaré Saavedra Guimarães, que se destaca pelo belo trabalho que desenvolve à frente da Comissão de Ações Judiciais em Direitos Humanos e Repercussão Social do Tribunal de Justiça do Estado do Pará, e que já coordenou…

Brega no Pará é coisa séria. Tem Brega Pop, Brega Calypso, Brega Marcante, Brega Saudade, Tecnobrega, Melody, Tecnomelody … Verdadeiro hino (música oficial dos 400 anos de Belém), não há quem desconheça o clássico Ao Por do Sol, eternizado na…

Uma reunião no Ministério Público do Estado do Pará colocou em pauta a situação caótica da Unidade de Conservação Estadual Área de Proteção Ambiental da Ilha do Combu, onde proliferam construções e empreendimentos comerciais irregulares, transporte fluvial desordenado, festas e…

A arte da carpintaria naval amazônica

Barcos regionais a motor, veleiros, vigilengas, rabetas, bajaras, canoas ubás, igarités, catraias, botes fazem parte da memória afetiva, produtiva e econômica parauara, navegando pelo oceano Atlântico, baías, rios que mais parecem mares, lagos, igarapés, furos, estreitos, igapós e campos alagados na várzea.  Nos mistérios da Amazônia, a natureza guia o homem em seu modo de fazer e viver.

Meu tio Ary Souza, irmão mais velho de minha mãe, era carpinteiro naval em Oriximiná. Não há registro de qualquer escrito, projeto, planta ou desenho técnico feito no papel por ele, que construiu inúmeras embarcações, de pequeno, médio e grande porte, com modelos e capacidade diferentes. Convidado para um congresso internacional de engenharia naval na Amazônia, em Belém, pediram a ele uma demonstração. Ele disse que seu imenso talento era de nascença. Tirava tudo da cabeça. Desde criança ficava olhando os barcos passarem no rio Trombetas e no rio Amazonas, era só ver e já sabia como fazer. Tudo confeccionado à mão. Usava plaina de serra, serrote, compasso, grampos, e enxó, que é uma das primeiras ferramentas da humanidade.  “É só dizer pra que querem o barco que eu faço”, assim desafiou a plateia de professores pós doutores na área, que lhe fizeram uma encomenda. Tio Ary desenhou o barco no flip chart à frente de todos e, ao final, os doutos especialistas conferiram todas as medidas e o design, em computadores dotados de programas de alta tecnologia. Estava tudo perfeitamente correto.

Herança cultural da maior importância, a carpintaria naval precisa se manter viva. A construção naval tradicional, passada de pais para filhos, está desaparecendo ante a falta de cuidados com a permanência do saber caboclo e a inexistência de políticas públicas que valorizem a atividade. Fomentar Casas da Memória e Ecomuseus locais é uma alternativa a esse perecimento. As aventuras de gerações de marceneiros e calafates os saberes acerca da construção de embarcações resultantes do encontro de duas culturas ligadas à carpintaria naval, a Portuguesa e a Tupi, precisam ser contadas.

A vastidão da floresta amazônica, com suas madeiras preciosas e fartas, incrementou em muito essa técnica, aprimorada através dos tempos. Entre as madeiras utilizadas pelos colonizadores e indígenas na construção de embarcações destacavam-se a tabajuba, o angelim e itaíba por serem resistentes; a maçaranduba, de grande utilidade para a calafetagem dos barcos, por sua resina de colagem; o bacuri, por melhor se curvar ao fogo, a sapucaia porque é forte e resistente a água; a pracuíba, boa para o braçame; o pau-rosa, muito macia; a itaúba e a copaíba, oleaginosa de muita resistência, sobretudo onde existe o turu (hoje consumido como iguaria da culinária amazônica), que é um bicho branco que entra na madeira, fura e vai se espalhando por dentro, destrói tudo.

 O pesquisador francês Henri Coudreau, ao fazer registros fotográficos, capturou imagens de procedimentos que se empregavam na construção de uma ubá. Nos registros de Coudreau a árvore é abatida com machados, por quatro homens e na imagem seguinte aparece uma ubá de tábuas já pronta, sendo puxada por oito homens para o leito do rio. Tanto a aquarela do século XVIII de Francisco Requeña quanto na fotografia do século XIX de Coudreau, as imagens de fabricação de uma ubá registradas por ambos já revelam transformações tecnológicas oriundas da união dos elementos culturais dos colonizadores e indígenas, ao longo do processo de colonização da Amazônia.

As fotos são de um acervo aleatório do arquipélago do Marajó, de Amarildo Leal, professor no município de Ponta de Pedras e morador da Vila de Mangabeira.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *