A empresa de ônibus Belém-Rio, que faz a linha para o distrito de Outeiro – Ilha de Caratateua, em Belém, aparentemente está falida e reduziu pela metade a sua frota, causando enorme sofrimento aos usuários do transporte coletivo. O serviço,…

A Cosanpa abriu nada menos que seiscentos buracos imensos nos bairros mais movimentados de Belém, infernizando a vida de todo mundo com engarrafamentos e causando graves riscos de acidentes, principalmente porque chove sempre, e quando as ruas alagam os buracos…

O Procurador-Geral de Justiça César Mattar Jr. inaugurou nesta quinta-feira, 16, o Núcleo Eleitoral do Ministério Público do Estado do Pará, que vai funcionar na sede das Promotorias de Justiça de Icoaraci, distrito de Belém. O coordenador será o promotor…

A desembargadora Maria de Nazaré Saavedra Guimarães, que se destaca pelo belo trabalho que desenvolve à frente da Comissão de Ações Judiciais em Direitos Humanos e Repercussão Social do Tribunal de Justiça do Estado do Pará, e que já coordenou…

50 anos da Filarmônica Prof. José Agostinho da Fonseca

A Câmara Municipal de Santarém realiza sessão especial hoje, em homenagem aos 50 anos da Filarmônica Municipal “Prof. José Agostinho”, por iniciativa do vereador Maurício Corrêa.
O maestro José Agostinho da Fonseca Neto, o Tinho,  representará a família dos fundadores da Orquestra, e vai ler o texto “Filarmônica Municipal Prof. José Agostinho – 50 Anos“, da lavra do desembargador federal do Trabalho Vicente Malheiros da Fonseca, impossibilitado de comparecer ao evento.
 
Data da noite de 4 de setembro de 1963, no Cine Teatro “Cristo-Rei”, a primeira apresentação da “Banda Professor José Agostinho”, sob a direção dos irmãos Wilson (Isoca) e Wilde (Dororó) Fonseca, com a colaboração dos sargentos do Exército João de Deus Damasceno e Raimundo Bittencourt, do Tiro de Guerra 190, e apoio de Everaldo Martins, então prefeito de Santarém. Havia trinta integrantes. No programa musical, obras de John Philip Sousa, José Agostinho da Fonseca (1886-1945) e Wilson Fonseca (inclusive o Hino de Santarém), além dos Hinos Nacional e da Independência do Brasil, com a participação do Coro da Catedral de Santarém e alunos de diversos colégios da cidade.
 

A Lei nº 14.256/1992 deu nova denominação à Banda, que passou a se chamar “Filarmônica Municipal Professor José Agostinho”.
Desde a sua fundação, todo o repertório da Filarmônica era escrito por Wilson Fonseca (composições e arranjos). Os ensaios e apresentações, a cargo dos irmãos Wilson e Wilde Fonseca, filhos de José Agostinho da Fonseca, que dá nome à orquestra.
 
O diretor administrativo do grupo era Sebastião Nogueira Sirotheau, titular do Cartório de Imóveis do 1º Ofício de Santarém. Bazinho, como era conhecido, além de integrante e líder da Filarmônica, onde tocava saxofone-tenor e tuba, funcionava como arquivista de partituras musicais e ainda transportava os músicos para ensaios e concertos.
Com o falecimento de Isoca (2002), Dororó (2010) e Bazinho (2011), a Filarmônica passou a ser dirigida pelo maestro João Paulo Santos Fonseca, neto de José Agostinho da Fonseca, filho de Wilde Fonseca e Madalena Santos Fonseca (que integrou o conjunto tocando pratos).
 
Na tradição da família Fonseca, os irmãos do maestro João Paulo (José Wilde, Agostinho e Benedito) também foram membros da Filarmônica. Hoje, ainda permanece, no naipe de saxofone-alto, o primogênito José Wilde.
Do mesmo modo, atuaram, nas décadas de 60 e 70 do século passado, os irmãos José Wilson Malheiros da Fonseca (sax-horn, sax-alto, trompete e trombone), José Agostinho Neto (clarinete e percussão) e Vicente Malheiros da Fonseca (sax-horn e barítono – espécie de eufônio).

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *