O Tribunal Regional Eleitoral do Pará oficializou o resultado da eleição suplementar em Viseu 39 minutos após o encerramento da votação. Foi eleito prefeito Cristiano Vale (nº 11 – PP – Voltando pra Cuidar da Gente) e vice-prefeito Mauro da…

Nem bem foi inaugurado, e ainda faltando a instalação dos bancos e finalização, o calçadão da Avenida Beira-Mar, em Salinópolis, sofreu diversas avarias. A Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Obras acionou a empresa responsável pela obra, que está executando ações…

A expectativa era grande em relação à ida do governador Helder Barbalho à Assembleia Legislativa para a leitura da Mensagem na instalação da 61ª Legislatura. Funcionou como uma espécie de termômetro da Casa, que abriga novos deputados na oposição, e…

Foram empossados hoje na Assembleia Legislativa do Pará os 41 deputados estaduais eleitos para a 61ª Legislatura (2023-2027). Em seguida houve eleição para a Presidência e a Mesa Diretora, em chapa única, tendo sido reeleito praticamente à unanimidade – por…

4º político executado no Pará em 1 ano

O clima no Pará é de faroeste caboclo: só do ano passado até hoje, foram assassinados quatro políticos em pleno exercício de mandato, todos com características de execução por encomenda, e os crimes continuam  impunes. O prefeito de Tucuruí, Jones William (PMDB), foi abatido hoje, aos 42 anos, com uma saraivada de oito tiros, na cabeça e no peito, à luz do dia, há pouco, em frente à UPA, na estrada que liga a cidade ao aeroporto, quando vistoriava uma operação tapa buraco.  Há dois meses, no dia 16 de maio, Diego Kolling (PSD), prefeito de Breu Branco, a 38 Km de Tucuruí, foi assassinado a tiros aos 34 anos, enquanto pedalava na PA-263 (Tucuruí/Goianésia do Pará), por volta de 7h30. Em janeiro de 2016 o prefeito de Goianésia do Pará, João Gomes da Silva (PR), o “Russo”, foi morto aos 62 anos, também por uma rajada de balas, durante um velório no centro da cidade, a 98 Km de Tucuruí. E em 10 de abril deste ano, o vereador Paulo Chaves Marinho (PSB) foi executado com tiros na cabeça e no peito, em Rio Maria, também na mesmíssima região Sudeste do Pará. 

É evidente que os crimes estão ligados, ou pelo menos têm um encadeamento lógico. A situação é de barbárie, terror. Salve-nos, quem?!

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *