A igreja de São Francisco de Assis em Belém do Pará, carinhosamente chamada pelos fiéis de "Capuchinhos", completará cem anos de sua inauguração em 02 de outubro de 2022. A abertura oficial das festividades será com um concerto na igreja…

O trânsito continua matando mais do que muitas guerras. A administradora Gina Barbosa Calzavara, coordenadora dos bosquinhos da Universidade Federal do Pará, fez uma emocionante homenagem à memória do jovem Jean Serique Lameira, esportista do ciclismo e que também usava…

O Laboratório de Engenharia Biológica do Parque de Ciência e Tecnologia - PCT Guamá está estudando o sequenciamento genético do açaí, de modo a assegurar a rastreabilidade de ponta a ponta na cadeia produtiva e padrões de qualidade para os…

A Lei estadual nº 9.278/2021, que entrou em vigor em 30 de junho deste ano, instituindo a obrigação de que pessoas residentes em condomínios, conjuntos habitacionais e similares comuniquem à Polícia Civil, de forma imediata, qualquer tipo de agressão praticada…

300 mil fissurados no Brasil

Foi muito concorrida e emocionante a sessão especial de hoje na Alepa, destinada a debater o atendimento aos portadores de fissura labiopalatal. Thatyana Mota, presidente da Associação de Apoio ao Fissurado Labiopalatal Sorrisos Largos, relatou o caso de seu filhinho de três anos e de outros bebês, a fim de que a sua dor, o sofrimento dessas famílias e as dificuldades que os pequenos passam não se perpetuem em outras crianças. 

Tramita na Assembleia um projeto que obriga a notificação dos nascidos com fissura labiopalatal. A taxa de nascidos vivos é de 1 a cada 650 crianças. Em Belém, há registro de dois mil fissurados, e oito mil em todo o Estado. No Brasil, a estimativa é de que sejam mais de 300 mil crianças com essa má formação. 

É tremenda a importância de um protocolo e um fluxo de atendimento multiprofissional. Tudo começa no diagnóstico precoce, já que a fissura se revela entre a quarta e a nona semana de gestação, nos exames de ultrassom. Quando os pais são logo informados, podem se preparar da melhor forma possível, recebendo as orientações necessárias para fazer o bebê mamar, planejando as cirurgias que devem começar aos seis meses de idade e o tratamento que envolve fonoaudiólogos, nutricionistas, otorrinos, ortodontistas, pediatras e plásticos. 

O Hospital Oncológico Infantil Dr. Octavio Lobo, os hospitais regionais de Marabá, Santarém e Redenção oferecem o tratamento especializado e multidisciplinar gratuito. Quando estiver concluído, o Hospital Abelardo Santos, em Icoaraci, será o Centro de Referência no Pará. Muitas famílias que vivem no interior precisam recorrer ao Tratamento Fora de Domicílio (TFD). 

A sessão foi requerida pelo deputado Jaques Neves, presidente da Comissão de Saúde da Alepa. Participaram ativamente dos debates a secretária adjunta de Saúde do Pará, Heloísa Guimarães, o diretor geral do Hospital Ofir Loyola, Luís Cláudio Chaves, e o coordenador do Comitê Estadual de Mortalidade Materna da Sespa, Hélio Franco, entre outros médicos, mães e pais e ativistas sociais.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *