A sesquicentenária samaumeira que perdeu seus galhos na madrugada desta segunda-feira (6) é memória afetiva de todos os paraenses e até de gente de fora do Pará e do Brasil que frequenta Belém durante o Círio de Nazaré. Localizada em…

O Tribunal Regional Eleitoral do Pará oficializou o resultado da eleição suplementar em Viseu 39 minutos após o encerramento da votação. Foi eleito prefeito Cristiano Vale (nº 11 – PP – Voltando pra Cuidar da Gente) e vice-prefeito Mauro da…

Nem bem foi inaugurado, e ainda faltando a instalação dos bancos e finalização, o calçadão da Avenida Beira-Mar, em Salinópolis, sofreu diversas avarias. A Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Obras acionou a empresa responsável pela obra, que está executando ações…

A expectativa era grande em relação à ida do governador Helder Barbalho à Assembleia Legislativa para a leitura da Mensagem na instalação da 61ª Legislatura. Funcionou como uma espécie de termômetro da Casa, que abriga novos deputados na oposição, e…

1ª mulher presidente da ACP toma posse dia 4

A empresária Elizabete Grunvald, presidente eleita da Associação Comercial do Pará, com posse marcada para o próximo dia 4 de abril, já entrou para a história da bicentenária entidade, que completa 203 anos dia 3, na véspera da sua posse. Em um ambiente tradicionalmente masculino, ela teve sua liderança reconhecida com brilho, e será a primeira mulher a presidir a Associação. Economista por formação, ela atuou durante vinte anos em uma instituição financeira, até decidir empreender e montar uma empresa de consultoria empresarial e uma representação de produtos médicos. Atualmente, também é sócia de uma Clínica de Reabilitação Integrativa, junto com sua filha, Erika Grunvald. Na ACP, de onde já exerceu a vice-presidência e a presidência do Conselho da Mulher Empresária, ela se dedica há mais de 25 anos e considera seu maior desafio agora ampliar a representatividade das mulheres e do empresariado parauara, bem como a aprovação das reformas estruturantes de que o Brasil precisa, especialmente a redução da alta carga tributária, que se traduz em um sistema injusto, complexo e oneroso para quem produz e gera emprego e renda.

A nova presidente assumiu o compromisso de manter o olhar atento ao mercado e às necessidades dos associados da ACP, de modo a ampliar o leque de produtos e serviços, fomentando o empreendedorismo e estimulando a inovação e melhores práticas empresariais. Através do Conselho da Mulher Empresária ela já vinha desenvolvendo várias ações de estímulo e fortalecimento ao empreendedorismo feminino, oferecendo informação e capacitação, além de outras ações do Conjove, Conselho de Câmaras Setoriais e Universidade Corporativa.

Ela se diz otimista quanto à retomada do crescimento da economia e da reorganização financeira da entidade, e também quanto às perspectivas do trabalho do Conselho Diretor e dos órgãos colegiados, que já estão organizando seus planos de ação focados em várias frentes de trabalho. Dentre eles, as atividades do CME e do Conjove, priorizando as mulheres e a juventude empreendedora, e do Conselho de Câmaras Setoriais, que discute e propõe o crescimento e melhores práticas dentro de cada segmento produtivo. Elizabete também destaca o desempenho da Universidade Corporativa, na capacitação dos associados e seus colaboradores, e da Câmara de Mediação e Arbitragem, que possibilita soluções da forma mais simples e com menor custo possível, em eventuais litígios de natureza mercantil.

A Associação Comercial do Pará é a segunda mais antiga do Brasil e sócia fundadora da Confederação das Associações Comerciais e Empresariais do Brasil – CACB e e também da Federação das Associações Comerciais e Empresariais do Pará – FACIAPA, sistema que agrega 2.300 associações comerciais e empresariais e representam mais de dois milhões de empresários em todo o país, pessoas jurídicas e físicas, de todos os setores da economia. Além disso, foi pioneira ao criar conselhos de jovens empresários (Conjove) e mulheres empresárias (CME). Surgiu como Praça do Comércio do Pará em 3 de abril de 1819. Atravessou períodos turbulentos desde o período do Império, passando pela Cabanagem e Ciclo da Borracha, divisores da história parauara. Testemunhou a criação do Banco da Borracha, que depois se tornou o Banco da Amazônia. Também participou da criação, junto ao Governo do Estado, do Banpará e da Força e Luz do Pará, de onde se originou a Celpa, privatizada há duas décadas. Ao longo de quase dois séculos, a história da ACP em muitos momentos se confunde com a própria história do Pará.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *