A juíza Sara Augusta Pereira de Oliveira Medeiros, titular da 3ª Vara Cível, Infância e Juventude, Órfãos, Interditos e Ausentes de Castanhal (PA) exarou uma sentença emblemática, em plena Semana da Pessoa com Deficiência: obrigou a Escola Professor Antônio Leite…

Observando que é irracional o deslocamento de grande quantidade de pacientes em busca de tratamento, o Ministério Público do Pará ajuizou Ação Civil Pública contra o Estado do Pará e o Município de Marabá, para a criação de Unidade de…

O governador Helder Barbalho sanciona hoje à noite, em cerimônia no auditório do Centur, o 'Vale Gás' e o 'Água Pará', destinados a famílias de baixa renda ou em situação de vulnerabilidade social. Ambos serão gerenciados e fiscalizados pela Secretaria…

Ciclistas liderados pelo grupo Pedal Mulher Nota 100, com apoio de alunos e voluntários da Universidade Federal do Pará e da Academia Paraense de Jornalismo, realizarão uma performance, nesta quinta-feira (23), das 8h às 10h, a fim de chamar a…

179 anos da Cabanagem

Há 179 anos, o primeiro ataque dos Cabanos aconteceu ainda na noite dia 6 de janeiro
de 1835. O povo de Belém festejava ao luar o Dia de Reis. Autoridades portuguesas e
famílias poderosas brindavam na noite de gala do Teatro da Providência, que se
localizava na Praça das Mercês, diante da Igreja. À saída do teatro, o
presidente da província, Bernardo
Lobo de Souza
, foi
para a casa da amante. Demorou a perceber o caos na cidade. Esgueirando-se
pelos quintais, de casa em casa, conseguiu ficar escondido até o início do
outro dia. Quando saiu à rua, foi morto à bala por um índio tapuio.
A Revolta dos Cabanos ou Cabanagem ocorreu na Província do Grão-Pará,
que compreendia o Amazonas e o Pará, entre 1835 e 1840. Cabano era o nome dado
aos que habitavam as casas miseráveis às margens dos rios da região. Formavam
uma massa de marginalizados que deu à Cabanagem o caráter mais popular de todas
as rebeliões nas províncias brasileiras no período regencial (1831-1840). A
diversidade étnica dos revoltosos era tamanha que surpreendeu os soldados
aliados à Regência: indígenas, negros escravos e libertos, mamelucos, cafuzos,
mulatos e mestiços estavam unidos a comerciantes, fazendeiros e intelectuais excluídos
das decisões na província.
Parecia a Queda da Bastilha, marco da Revolução Francesa, em
1789.
Desde 1822, as agitações em torno da Independência atingiam a região,
que mantinha poucos vínculos com o Rio de Janeiro e era muito influenciada por
Lisboa. Tanto que o Pará só aderiu à Independência com um ano de atraso, em
agosto de 1823, e ainda assim após a interferência do poder imperial com o
envio de tropas comandadas pelo inglês Grenfell. Desde então, o governo central
enfrentava oposição radical da população local, que contestava e desafiava as
autoridades provinciais nomeadas.
Os conflitos tinham se agravado com a instabilidade política gerada pela
abdicação de D. Pedro I e a instalação da Regência, até estourar o movimento
armado, em 1835, a princípio controlado por seus líderes, entre os quais Eduardo
Angelim, Clemente Malcher, o cônego Batista de Campos e os irmãos Manuel e
Francisco Vinagre.
Os cabanos dominaram Belém durante dez meses. Ao todo, três líderes
rebeldes presidiram o Pará. Já na primeira gestão, uma moeda antiga passou a
ser reutilizada e só valia na província. Mas o movimento se perdeu em meio a desavenças
internas e desorientação política. Cabanos
se apropriaram de casas de famílias portuguesas ou ligadas ao antigo regime. O
porte de armas entre eles foi legalizado.
Intrigas e traições entre os líderes do movimento causaram tanto
prejuízo quanto as tropas inimigas. O primeiro presidente indicado, Félix Malcher,
simpático ao Império, foi chamado de traidor e assassinado em meio à disputa de
poder com o comandante de armas, Antônio Vinagre.
A situação de Belém foi se tornando insustentável. Destruída pelos
combates, grassavam epidemias de varíola, cólera e beribéri. A população
passava fome. O poder central enviou reforços militares e navais, com apoio
inglês. Logo no primeiro contra-ataque do governo provocou, os cabanos tiveram
que fugir. A ofensiva teve a ajuda do presidente Francisco
Vinagre
. Os cabanos debandaram
e mantiveram resistência no interior, numa tática guerrilheira, mas foram
massacrados. Povoados inteiros foram esmagados e sua população exterminada. Ao
final, 40% da população da província havia sido morta. A tragédia em números:
40 mil mortos em três anos de combates numa província com uma população de
cerca de 100 mil habitantes.
O último presidente cabano, Eduardo Angelim, foi derrotado pela esquadra do
brigadeiro Francisco José Soares de Andrea. A caça aos cabanos continuou até
1840. A tortura era comum. No fim da revolta, Belém só tinha, praticamente,
mulheres, crianças e idosos. Muitas mulheres foram violentadas, do lado cabano e das famílias
ligadas à Regência.
Em 1840 a província foi considerada “pacificada”.
7
de janeiro de 1835 é a data que marca a tomada de Belém pelos cabanos. Já em 13
de maio de 1836 as tropas legalistas fizeram sua festa, comemoravam o começo do
fim da Cabanagem. Até o primeiro grande jornal regular do Pará não por acaso
foi nomeado Treze de Maio, era o jornal da legalidade. E em 1888 – antes da Lei
Áurea – foi criada a Liga Redentora, que propunha que a abolição da escravidão
em Belém fosse marcada para o dia 13 de maio. Essa data segundo a autora
significava a alforria dos “honrados” cidadãos paraenses sobre os “amotinados”
e “desordeiros” homens de 1835 e seus precursores.
Domingos
Antônio Raiol e Antônio Ladislau Monteiro Baena foram pioneiros e hoje são
clássicos da historiografia cabana. Para Raiol, os fatos que ocorreram no Pará
configuram-se como “motins políticos”. Por isso 7 de setembro seria um dia
fúnebre e não de comemoração. O autor reconstruía a história paraense desse
período como motins desencadeados pelo Rio de Janeiro e que só seriam
compreendidos no contexto da abdicação e da Regência. Em 1923 veio uma
reinterpretação, e o 7 de janeiro voltou à tona.

Segundo Caio Prado Jr., a Cabanagem foi “o mais notável movimento
popular do Brasil (…) o único em que as camadas mais inferiores da população
conseguem o poder de toda uma província com certa estabilidade”.


Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *