A Prefeitura de Belém está convidando os moradores da Cidade Velha à Consulta Pública sobre a reforma e revitalização do prédio ao lado da Igreja da Sé, onde por muito tempo funcionou a Fundação Cultural do Município de Belém (Fumbel).…

As eleições de 2022 coincidem com o bicentenário da Independência e os 90 anos de conquista do direito do voto feminino, ocorrida em 24 de fevereiro de 1932. Durante todo o Império, as brasileiras não puderam votar e somente 43…

O Ecomuseu da Amazônia, da Fundação Escola Bosque (Funbosque) promoveu no domingo, 25, na Ilha de Cotijuba, o roteiro patrimonial, pelo encerramento da 16ª Primavera dos Museus. Os visitantes conheceram o pólo do Ecomuseu, a história de Cotijuba, que passa…

A prefeitura de Portel, em parceria com a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca, lançou na sexta-feira passada (23) o projeto Marajó Sustentável, aliado ao Programa de Desenvolvimento da Cadeia Produtiva da Seringueira no Estado do Pará…

Violência contra crianças e adolescentes na Amazônia é maior que no resto do país

A realidade é trágica: as mortes violentas intencionais de crianças e adolescentes de 0 a 19 anos nos municípios da Amazônia Legal têm índice 34,3% superior ao restante do país. Os dados são das Secretarias de Segurança Pública e da Defesa Social de 2021 e foram compilados pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública. A taxa de assassinatos foi de 11,1 a cada 100 mil habitantes em 2021, enquanto no Brasil a média é de 8,7 e, excluindo a Amazônia Legal, 8,3. A categoria Mortes Violentas Intencionais inclui registros de homicídios dolosos, latrocínios, lesões corporais seguidas de morte e mortes decorrentes de intervenções policiais. A Amazônia, onde vivem 16,3% das crianças e adolescentes do Brasil, concentra 20,7% das mortes violentas intencionais dessa faixa etária em todo o país. As violações de direitos infantojuvenis são físicas, psicológicas, sexuais, institucionais e estruturais.

A taxa de estupros de crianças e adolescentes na região é 7,6% superior à do restante do país. A cada 100 mil habitantes de 0 a 19 anos, há 90,9 vítimas desse crime, enquanto a média nacional sem a Amazônia Legal é de 84,5 e de todo o país é 85,5. Do total, 89,2% das crianças e adolescentes vítimas de estupro são meninas. O Acre não foi incluído porque não disponibiliza a informação de idade ou faixa etária da vítima. Um fator que agrava ainda mais é a tentativa de naturalização das violências, atribuindo-as aos modos culturais dos amazônidas. Estupro não é cultura, é crime em qualquer parte do mundo.

Dos 8.514 meninos e meninas com até 19 anos vítimas de estupro na Amazônia Legal, 6.156 tinham de 0 a 13 anos, população considerada vulnerável. Isso equivale a 72,3% do total de estupros nessa faixa etária na região. Ao considerar o total de estupros, os vulneráveis entre 0 e 13 anos são 60,4% das vítimas. O terrível cenário desnuda a ausência estatal e a negligência na garantia efetiva de direitos. Conquistas político-jurídicas como o Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei n. 8.069/1990) e o Estatuto da Juventude (Lei n. 13.652/2013) ainda não foram implementadas.

Lucas Lopes, ponto focal da Coalizão Brasileira pelo Fim da Violência contra Crianças e Adolescentes e membro do grupo coordenador da Agenda 227, enfatiza que os dados demonstram a urgência da reversão desse cenário a partir de políticas públicas efetivas para garantir a proteção integral. “O Brasil vive, hoje, um contexto de múltiplas violências contra as crianças e adolescentes. Na Amazônia Legal, a situação é ainda mais alarmante, demandando políticas públicas que não sejam generalistas e que considerem as especificidades do território. É preciso um compromisso do próximo presidente eleito para garantir, nos primeiros dias de governo, a execução de medidas como a priorização das crianças e adolescentes no orçamento público e recursos exclusivos para a prevenção às violências contra essa população, o fortalecimento das capacidades dos Conselhos de Direitos da Criança e do Adolescente, investir em programas intersetoriais de atenção integral a esses cidadãos em todos os níveis de proteção do Sistema Único de Assistência Social, entre outras. É urgente garantir a vida e o bem-estar de meninas e meninos brasileiros em todos os territórios do país”, salienta.

A Promotora de Justiça coordenadora do Centro de Apoio Operacional da Infância e Juventude do Ministério Público do Estado do Pará, Mônica Freire, acompanha de perto a realidade dos casos de violência, principalmente sexual, contra crianças e adolescentes e aponta as distorções históricas. “Quando os grandes projetos são implementados e executados na área da Amazônia são analisados, principalmente, os impactos ambientais das obras e das iniciativas no local. No entanto, não há um olhar específico para a população infantojuvenil que reside nessas áreas e que é a mais vulnerável à violências e exploração”.

A Agenda 227, movimento plural e apartidário, elaborou e entregou para todos os candidatos à presidência o Plano País, documento com mais de cem propostas de políticas públicas em defesa dos direitos da infância e adolescência. A iniciativa é integrada por mais de 350 entidades da sociedade civil e coordenada pelas organizações Aliança Nacional LGBTI+; ANDI – Comunicação e Direitos; Centro de Referências em Educação Integral; Childhood Brasil; Coalizão Brasileira pelo Fim da Violência contra Crianças; Coalizão pela Socioeducação; Escola de Gente – Comunicação em Inclusão; Fundação Bernard van Leer; Fundação José Luiz Egydio Setúbal; Fundação Maria Cecília Souto Vidigal; Geledés – Instituto da Mulher Negra; Instituto Alana; Instituto Clima e Sociedade (iCS); Instituto Liberta; Instituto Rodrigo Mendes; Rede-In – Rede Brasileira de Inclusão; RNPI – Rede Nacional Primeira Infância; e United Way. Conta também com o apoio do Itaú Social e do Unicef.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *