O procurador do Ministério Público do Trabalho Sandoval Alves da Silva tomou posse na chefia da Procuradoria Regional do Trabalho da 8ª Região para o biênio de 2021-2023 enfatizando o papel decisivo do MPT na garantia dos direitos humanos. O…

Prevaleceu o bom senso e o cuidado com as pessoas. O prefeito Edmilson Rodrigues ouviu o secretário municipal de Saúde, Maurício Bezerra, e técnicos responsáveis pela vacinação e enfrentamento à Covid-19, e cancelou os desfiles das escolas de samba, blocos…

Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Vida e obra de Wilson Fonseca, o Isoca

Está
previsto para o próximo dia 20, pendente de confirmação, novo lançamento do
livro “A Vida e a Obra de Wilson
Fonseca (Maestro Isoca)
“, de autoria de seu filho, o desembargador
federal do Trabalho Vicente Malheiros da Fonseca, editado pela Gráfica do Banco
do Brasil.
Compositor, pianista,
saxofonista, violinista, baterista e regente autodidata; folclorista, escritor,
historiador e professor de música, o
maestro Isoca produziu mais de 1.600 peças dos mais variados gêneros musicais:
valsa, missa, ladainha modinha, tango, fox-trot, fox blue, hino, canção,
dobrado, marcha, samba, bolero, choro, toada, poema sinfônico e até a ópera amazônica
“Vitória Regia, o Amor Cabano”, que seu filho, o juiz trabalhista aposentado José Wilson Malheiros da Fonseca, concluiu. 
Isoca ocupou a Cadeira nº 24 da Academia Paraense de Música e a Cadeira nº 7 da Academia Paraense de Letras. Foi também carteiro,
administrador do Porto de Santarém, escrevente no Cartório do 1º Ofício da
Comarca de Santarém e caixa do Banco do Brasil. Sua extraordinária vida merece
ser conhecida e divulgada, especialmente em razão do seu centenário de
nascimento, em 17 de novembro deste ano.
Em 2005,
tomei a iniciativa de pedir à então secretária de Estado de Educação, Rosa
Cunha, que eu assessorava, que editasse a preciosa obra de Wilson Fonseca como
historiador e escritor. E tive a honra de ir buscar das mãos de José Agostinho
da Fonseca Neto, filho caçula do maestro Isoca, em Santarém, e trazer
literalmente em meus braços, em aeronave do Estado, os doze volumes de “Meu Baú Mocorongo“, publicado pelo
Governo do Estado em 2006, em seis volumes lindamente encadernados, numa feliz parceria
da Seduc, Secult e Arquivo Público.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *