Brega no Pará é coisa séria. Tem Brega Pop, Brega Calypso, Brega Marcante, Brega Saudade, Tecnobrega, Melody, Tecnomelody … Verdadeiro hino (música oficial dos 400 anos de Belém), não há quem desconheça o clássico Ao Por do Sol, eternizado na…

Uma reunião no Ministério Público do Estado do Pará colocou em pauta a situação caótica da Unidade de Conservação Estadual Área de Proteção Ambiental da Ilha do Combu, onde proliferam construções e empreendimentos comerciais irregulares, transporte fluvial desordenado, festas e…

O juiz federal Henrique Jorge Dantas da Cruz condenou a União e o Estado do Pará à obrigação de fornecer Cerliponase Alfa (Brineura®) a uma criancinha de quatro anos durante todo o período de tratamento, sem interrupção. O remédio deverá…

A Comissão de Fiscalização Financeira e Orçamentária da Assembleia Legislativa aprovou à unanimidade, hoje (15), as contas do governador Helder Barbalho relativas ao exercício de 2020. Conforme o relatório do presidente da CFFO, deputado Igor Normando (MDB), a receita bruta…

Vida de gado nos rios da Amazônia

O transporte fluvial misto (aquele que leva no mesmo barco gente e mercadoria) na Amazônia movimenta 8,9 milhões de passageiros e cerca de 4,5 milhões de toneladas de carga por ano. E é péssimo. Detalhe: antes do estudo Caracterização da Oferta e da Demanda do Transporte Fluvial de Passageiros na Amazônia, elaborado pela Antaq, com a cooperação técnica da UFPA e da Fundação de Amparo e Desenvolvimento da Pesquisa – Fadesp, sequer era sabido pelos governos estaduais e federal o número de terminais, linhas e embarcações, assim como a quantidade de pessoas e mercadorias que circulam anualmente nas vias navegáveis do Pará, Amapá, Rondônia e Amazonas.
 
Apesar de os rios serem as nossas ruas, e de pelo menos 80% da nossa gente amazônida se transportar pelas águas, não se investe em transporte hidroviário. O povo usuário é tratado como gado nas 317 linhas fluviais, das quais 249 estaduais e 59 interestaduais, e nove travessias. Há 602 embarcações e 106 terminais registrados, nos quatro estados amazônicos.
Mas, como os dados foram coletados até 2011, a pesquisa já está defasada desde o lançamento, que demorou dois anos para acontecer.
Não se sabe sequer quantos acidentes acontecem anualmente nos rios da Amazônia, muito menos o número de vítimas. Estatística hidroviária é piada por aqui.
 
As condições de acesso às embarcações são humilhantes. Em Santarém, por exemplo, uma das maiores cidades do Pará, quando chove, os idosos frequentemente caem na lama que se forma no cais, na zona de embarque e desembarque. Quando não chove, a poeira toma conta de tudo. Cadeirantes e pessoas com dificuldades de locomoção passam momentos muito difíceis para subir rampas estreitas e perigosas. Na área de atracação não há sala de embarque, posto de polícia, telefones públicos, quadro de horário de saída e chegada de embarcações, boxes de venda de passagens e lanchonetes, por exemplo. O serviço de carregadores é muito precário.
Na verdade, sequer existe um terminal. É uma vergonha.
 
Em Belém, o novo terminal hidroviário que está sendo construído é a esperança de oferecer condições dignas aos usuários. Mas certamente será insuficiente para a demanda reprimida. É preciso pensar em alternativas. A Prefeitura poderia examinar a possibilidade de licitar linhas fluviais para atender as ilhas, a fim de minorar o caos urbano agravado com as obras do BRT.
 
Só para se ter uma ideia, segundo a própria Antaq, apenas 3% dos terminais de toda a Amazônia têm bom padrão de atendimento, 10% padrão médio, e 87% baixo padrão.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *