Lançamentos literários, apresentações de teatro, oficinas voltadas para as culturas pop e japonesa, arrecadação de livros, atividades pedagógicas e lúdicas direcionadas ao público infantil, entre outras ações, estão no cardápio de cultura e arte servido aos visitantes do estande da…

O procurador do Ministério Público do Trabalho Sandoval Alves da Silva tomou posse na chefia da Procuradoria Regional do Trabalho da 8ª Região para o biênio de 2021-2023 enfatizando o papel decisivo do MPT na garantia dos direitos humanos. O…

Prevaleceu o bom senso e o cuidado com as pessoas. O prefeito Edmilson Rodrigues ouviu o secretário municipal de Saúde, Maurício Bezerra, e técnicos responsáveis pela vacinação e enfrentamento à Covid-19, e cancelou os desfiles das escolas de samba, blocos…

Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Vale aceitou dar 1º passo para a Alpa

Foto: Antonio Silva
Agora parece que a Alpa vai sair do papel, ainda que sem o derrocamento do Pedral do Lourenço e a hidrovia Tocantins/Araguaia. Ontem, o governador Simão Jatene, o presidente da Vale, Murilo Ferreira, e  prefeito de Marabá, João Salame, assinaram protocolo de intenções para a criação do grupo de trabalho que vai discutir e buscar alternativas de projetos e investimentos para a implementação do complexo siderúrgico de Marabá, no sudeste do Pará, levando em consideração o uso dos modais existentes e assegurando agregação de valor à cadeia produtiva, em especial, a geração de emprego e renda. O grupo, presidido pelo secretário de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia, Adnan Demachki, terá dez membros, indicados pelo governo do Estado, Vale, Assembleia Legislativa, Federação das Indústrias do Pará, Associação Comercial e Prefeitura de Marabá.  

“Tenho a clareza de que a parceria entre o Estado e o setor mineral vai perdurar por muito tempo. É possível aprimorar os projetos e criar condições para que eles aconteçam. Nosso crescimento só se concretiza se criarmos a viabilidade e sustentabilidade econômica, e é isso que estamos fazendo. Queremos contribuir para o crescimento do País, mas a partir do nosso próprio desenvolvimento. Nas últimas décadas, a economia cresceu, mas a população também, e a evolução deste avanço na economia não resultou em melhorias dos indicadores sociais. A palavra sustentabilidade, na Amazônia, não admite adjetivação. Ela deve ser, ao mesmo tempo, econômica, ambiental e social”, pontuou Jatene. 

Adnan Demachki, personagem-chave nas extenuantes negociações que resultaram no acordo  com a Vale a fim de implantar o complexo siderúrgico em Marabá, já convocou a primeira reunião do grupo para o início de dezembro. “Não vamos medir esforços para viabilizar esse empreendimento tão sonhado em Marabá e levar o desenvolvimento para todo o Estado”, asseverou.

“Acompanhamos e vivemos a história do Pará, um Estado que queremos tão bem. O trabalho será construído nesses próximos meses em relação ao empreendimento e discernimento de alternativas e possibilidades. Esse trabalho veio em um momento especialmente importante, em que nosso País vive uma crise econômica, política e ética, e precisamos ter iniciativas, já que não podemos esperar que as respostas venham do governo central”, disse o presidente da Vale. 

A prefeitura de Marabá, como uma das interessadas no projeto, irá participar ativamente da construção da proposta, colaborando no que for preciso, garantiu João Salame.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *