Governador do Pará e presidente do Consórcio de Governadores da Amazônia Legal, Helder Barbalho está com agenda intensa em Brasília, e em reunião com Lula nesta sexta-feira (27) apresentou documento proposto pelo CAL. Para o desenvolvimento regional do bioma amazônico,…

O Papa Francisco nomeou o atual bispo da prelazia de Marajó (PA), Dom Evaristo Pascoal Spengler, bispo de Roraima (RR), que estava sem titular há um ano, desde a transferência de Dom Mário Antônio da Silva para a arquidiocese de…

Utilizar o futebol como ferramenta de transformação social para crianças e adolescentes de todo o Pará é o objetivo do projeto "Futebol Formando Cidadão", que será lançado neste domingo (29) no oeste paraense. A iniciativa é do Tapajós Futebol Clube,…

No próximo sábado, 28, é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Esta semana, foram divulgados dados da Secretaria de Inspeção do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) referente a 2022, quando foram resgatados 2.575 trabalhadores em condições análogas…

Universitários debateram mineração na Alepa

FOTO: OZEAS SANTOS
Centenas de universitários da rede pública e privada, dos cursos de Engenharia  – Ambiental, Civil, Elétrica, Mecânica, e de Telecomunicações, Economia, Geografia, Geologia, Administração, Secretariado Executivo, Pedagogia, Direito e Arquitetura participaram hoje da audiência pública com o tema “Os reflexos e impactos da mineração no desenvolvimento do Estado do Pará”, na Assembleia Legislativa. O evento, que já se tornou anual, é iniciativa do deputado Raimundo Santos (PEN), presidente da Frente Parlamentar de Apoio ao Desenvolvimento da Mineração Sustentável no Pará, e integra a programação da Semana Estadual da Mineração. 

A secretária adjunta de Ciência, Tecnologia, Educação Profissional e Tecnológica Maria Amélia Enríquez, prestigiou a audiência pública e apresentou o Plano de Mineração do Estado, abordando os impactos socioeconômicos. Já o professor Marco Antônio Lima, PhD em Desenvolvimento Sustentável, também palestrante, discorreu sobre Planejamento e Desenvolvimento. 

O Pará é, atualmente, o maior estado minerador do Brasil, já ultrapassou Minas Gerais. O setor representa 88% da exportação do Estado, número significativo e estratégico para o equilíbrio da política econômica nacional e que gera grande controvérsia, pela não transferência, pelo governo federal, das compensações a que o Estado tem direito em razão das perdas oriundas da aplicação da Lei Kandir, que isentou essas exportações do pagamento de ICMS. O dinheiro faz muita falta.

As atividades minerárias geram 7 bilhões de dólares em divisas aos cofres do governo federal, ao ano. Mas a desoneração tributária imposta às atividades minerárias do Pará, entretanto, vem causando perdas astronômicas e impedindo o desenvolvimento do Estado, o que o Legislativo tenta reverter. 

Maria Amélia Enríquez salientou a necessidade de ser criado um Conselho Estadual de Política Minerária, e um Fundo específico para garantir recursos tanto aos municípios mineradores quanto aos que ficam no entorno, além da transformação do Plano Estadual de Mineração em lei. 

O professor doutor Marco Antônio defendeu que a atividade minerária gere melhorias de vida para a população. “O que vemos hoje são pessoas morando em cima da riqueza e que continuam vivendo na pobreza”, lamentou. 

As palestras foram organizadas pela professora Andréia Conduru, coordenadora do curso de Engenharia Civil da Faculdade Estácio, a quem o deputado Raimundo Santos fez um agradecimento especial, destacando que, sem sua colaboração, não seria possível o evento. O professor e coordenador adjunto do curso de Engenharia Civil da Faculdade Estácio, Maurício Alves, também prestigiou a audiência pública. A maioria dos estudantes admitiu que não conhecia os números do setor de mineração e nem os problemas que envolvem a cadeia produtiva. Mas todos se sentiram desafiados a aprofundar os estudos sobre o tema e alguns se sentiram incentivados inclusive a fazer especialização na área, de olho em um futuro emprego em mineradora.

O deputado Raimundo Santos anotou todas as sugestões recebidas e, como são da competência do Poder Executivo, ficou de elaborar um Projeto de Indicação ao Governo do Estado e ampliar a discussão. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *