Para marcar os quinze anos de criação das Florestas Estaduais de Faro, Trombetas e Paru, da Estação Ecológica Grão-Pará e da Reserva Biológica Maicuru, na Calha Norte, hoje (4), o Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon) lançou…

Lançamentos literários, apresentações de teatro, oficinas voltadas para as culturas pop e japonesa, arrecadação de livros, atividades pedagógicas e lúdicas direcionadas ao público infantil, entre outras ações, estão no cardápio de cultura e arte servido aos visitantes do estande da…

O procurador do Ministério Público do Trabalho Sandoval Alves da Silva tomou posse na chefia da Procuradoria Regional do Trabalho da 8ª Região para o biênio de 2021-2023 enfatizando o papel decisivo do MPT na garantia dos direitos humanos. O…

Prevaleceu o bom senso e o cuidado com as pessoas. O prefeito Edmilson Rodrigues ouviu o secretário municipal de Saúde, Maurício Bezerra, e técnicos responsáveis pela vacinação e enfrentamento à Covid-19, e cancelou os desfiles das escolas de samba, blocos…

Um neurocirurgião amazônida


A complexidade que é praticar medicina na região amazônica está retratada nas crônicas, divididas em 21 capítulos, do neurocirurgião Érik Jennings, em seu livro Paradô, lançado durante o 8º Salão do Livro do Baixo Amazonas, em Santarém. A obra esgotou em 40 minutos, logo na noite de autógrafos.


A trajetória de Erik é curiosa. O médico santareno, além de suas funções no Hospital Regional do Baixo Amazonas, atua também com populações indígenas, remanescentes de quilombo, ribeirinhos e imigrantes, numa região em que proliferam doenças relacionadas à floresta, mas também câncer e trauma. Mas acha tempo para velejar e fotografar, hobbies que pratica com excelência.


Quando tinha quatro anos de idade, uma panela que estava sobre o fogão caiu e despejou água fervente sobre o corpo de Erik. Ele foi levado à Casa da Saúde. O caso era grave. Os rins paralisaram e o menino entrou em coma. Quem o atendeu foi o médico Waldemar Penna, que dirigia aquele hospital.
Santarém, na década de 1970, era muito deficiente no atendimento à saúde. E a família não tinha condições para transportá-lo a um grande centro. Todo mundo achava que ele ia morrer, inclusive o médico. Mas, inexplicavelmente, os rins voltaram a funcionar e ele teve alta. Décadas depois, já formado em medicina, os caminhos dos dois voltaram a se cruzar de forma impactante. Waldemar Penna, aos 91, estava à beira da morte, com 
câncer de pulmão, e chamou Jennings para cuidar dele. Com muita tranquilidade, disse: ‘eu vou morrer, eu só quero que você tire a dor’”. Hoje, o Hospital Regional do Baixo Amazonas Dr. Waldemar Penna, do qual Erik já foi diretor clínico, é referência na região, no tratamento da doença. 


“Recebemos esse exemplar da obra Paradô com muito orgulho. Além de ser uma referência na Neurocirurgia do norte do País, Dr. Erik é reconhecido por toda a população como um médico extremamente dedicado, humano e identificado com as suas raízes”, diz o diretor geral do HRBA, Hebert Moreschi, e completa: “Ele é da região e conhece muito bem as riquezas e os desafios da população e da medicina amazônica”. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *