O prefeito de Belém, Edmilson Rodrigues, anunciou na tarde desta segunda-feira, 8, que os recursos para a revitalização e requalificação do complexo do Mercado São Brás, na ordem de R$50 milhões, já estão garantidos pela Caixa Econômica Federal. Durante visita…

A orla da cidade concentrou o maior público de todos os tempos. Cerca de dez mil pessoas esperaram, ansiosas, o espetáculo emocionante e grandioso que incluiu barcos grandes e balsas, mas também canoeiros, as tradicionais e belíssimas barquinhas, confeccionadas com…

Área contígua ao centro histórico de Belém do Pará, Zona Especial do Patrimônio Histórico declarada por lei, o bairro do Reduto, cenário industrial da belle Époque, da Doca do Reduto no início do século XX, com suas canoas coloridas repletas…

A Primeira Seção do Superior Tribunal de Justiça fixou, sob o rito dos recursos repetitivos, a tese de que o servidor federal inativo, independentemente de prévio requerimento administrativo, tem direito à conversão em dinheiro da licença-prêmio não usufruída durante a…

Um caso de dignidade humana ferida

Vejam que história macabra: em 2013, J.S.A. foi ao cemitério São Jorge, em Belém, a fim de realizar alguns reparos e manter a conservação da sepultura onde o corpo de seu filho estava sepultado desde 24 de janeiro de 1981. Lá, ficou chocado ao constatar que a sepultura havia sido substituída, contendo nova identificação.  Procurou a administração do cemitério para pedir explicações – inclusive pelo desaparecimento dos restos mortais de seu filho -, tendo sido informado de que não havia registro da sepultura.
A administração do cemitério acionou a Secretaria Municipal de Urbanismo (Seurb) para localizar a sepultura. Contudo, a secretária alegou que o direito havia sido perdido devido ao não cumprimento da obrigação de arcar com os reparos necessários e a manutenção da sepultura. 

Diante disso, o sofrido pai – que contribui mensalmente para a manutenção do jazigo familiar – procurou a Defensoria Pública do Estado.
O caso foi assumido pelos defensores públicos José Anijar Rei e Anderson Pereira, que ajuizaram ação por danos morais e materiais. O juiz titular da 1ª Vara de Fazenda, Elder Lisboa, 
reconheceu os danos sofridos e concedeu as indenizações. Determinou que o município de Belém pague R$25 mil por danos morais e por danos materiais o valor equivalente ao custo de aquisição de um jazigo em cemitério particular na região metropolitana da capital.

Trata-se de dignidade humana ferida. Parabéns aos defensores, que providenciaram o devido reparo ao cidadão. E ao magistrado, pela sensibilidade à causa.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *