Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Na quarta-feira passada, dia 24, a audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara Federal, em Brasília, era para discutir a gravíssima situação na Terra Indígena Yanomami, mas o clima de enfrentamento entre bolsonaristas e lulistas inviabilizou…

O prefeito Edmilson Rodrigues anunciou que Belém tem condições de fazer o Carnaval 2022, após reunião hoje (25) à tarde com representantes das escolas de samba e blocos carnavalescos. Ele acredita que com mais de 80% de pessoas vacinadas contra…

Em 17 de dezembro de 1999, a Assembleia Geral das Nações Unidas designou o 25 de novembro Dia Internacional da Eliminação da Violência contra a Mulher. Passados 22 anos, os dados do 14° Anuário Brasileiro de Segurança Pública são aterrorizantes: por…

Triste ranking

Belém,
Ananindeua, Marituba, Marabá, Tailândia, Parauapebas, Tucuruí, Paragominas e
Castanhal figuram entre os 100 municípios brasileiros mais violentos e com
maior possibilidade de homicídio para os jovens, de acordo com o relatório “Letalidade
de jovens e adolescentes no Pará”,
elaborado pelo Centro de Defesa da
Criança e do Adolescente (Cedeca-Emaús).
O Movimento “Marituba Tranquila, Marituba Saudável
foi à Alepa denunciar que as pessoas estão com medo até de sair de suas
próprias casas. Medo de exercer o seu cotidiano, já que a violência já se
tornou parte dele. Os jovens de 15 a 24 anos são as maiores vítimas. A maioria
dos assassinados é negra e tem renda per capita de até um salário
mínimo, na enorme faixa da população submetida a miséria social. Atendendo as
reivindicações, o deputado Edmilson Rodrigues (PSOL), apresentou Moção para que
uma audiência pública discuta a situação, com a participação do Ministério
Público do Estado, da Sociedade Paraense de Defesa dos Direitos Humanos e da OAB-PA.
Edmilson considera que o enfrentamento da violência não se limita à repressão
do crime e que, para romper esse círculo vicioso, é indispensável que o Estado
invista em políticas públicas de prevenção e ofereça oportunidades de educação,
cultura e emprego à juventude paraense.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *