Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Na quarta-feira passada, dia 24, a audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara Federal, em Brasília, era para discutir a gravíssima situação na Terra Indígena Yanomami, mas o clima de enfrentamento entre bolsonaristas e lulistas inviabilizou…

O prefeito Edmilson Rodrigues anunciou que Belém tem condições de fazer o Carnaval 2022, após reunião hoje (25) à tarde com representantes das escolas de samba e blocos carnavalescos. Ele acredita que com mais de 80% de pessoas vacinadas contra…

Em 17 de dezembro de 1999, a Assembleia Geral das Nações Unidas designou o 25 de novembro Dia Internacional da Eliminação da Violência contra a Mulher. Passados 22 anos, os dados do 14° Anuário Brasileiro de Segurança Pública são aterrorizantes: por…

Promotor de justiça ameaçado

O juiz Adelino Arrais Gomes da Silva determinou
hoje o afastamento imediato do prefeito de Concórdia do Pará, Elias Guimarães
Santiago, da secretária municipal de Educação, Carmen Lúcia Guimarães Santiago, e da
secretária de Meio Ambiente, Marizete Matos do Carmo, além da posse imediata
dos dez aprovados em concurso público para gari, conforme classificação, e a
convocação de todos os demais concursados até que sejam preenchidos os cargos disponíveis.
Em caso de descumprimento, a multa diária é de R$5 mil por pessoa, sem prejuízo
de outras medidas.

Em fevereiro deste ano, o promotor de
justiça Daniel Menezes Barros ajuizou ação civil pública, na qual apontou a
existência de grande quantidade de temporários contratados de forma irregular,
escolhidos pelo critério de apadrinhamento. Após novas denúncias e a realização
de diligências, ficou comprovado que os três agentes públicos pagavam os garis por
meio de recibos ou iam de casa em casa levando um contrato de trabalho
retroativo para assinarem.
Desde agosto de 2011, quando fez
operação de busca e apreensão na prefeitura e Câmara Municipal de Concórdia do
Pará para colher provas de fraudes e irregularidades em licitações no
município, o promotor de Justiça Daniel Barros vem recebendo ameaças, nas quais
estariam envolvidos empresários de Tomé-Açu e Concórdia com interesses
comerciais prejudicados pela investigação, que inclui também contratação
de veículos. Há oito meses o promotor é obrigado a andar com escolta policial.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *