Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Na quarta-feira passada, dia 24, a audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara Federal, em Brasília, era para discutir a gravíssima situação na Terra Indígena Yanomami, mas o clima de enfrentamento entre bolsonaristas e lulistas inviabilizou…

O prefeito Edmilson Rodrigues anunciou que Belém tem condições de fazer o Carnaval 2022, após reunião hoje (25) à tarde com representantes das escolas de samba e blocos carnavalescos. Ele acredita que com mais de 80% de pessoas vacinadas contra…

Tratativas eleitorais desenham cenário

Amanhã, às 16 horas,
será feito o a
núncio público de apoio do PT e do deputado
Alfredo Costa a Edmilson Rodrigues, no hotel Regente (Av. Gov. José Malcher, entre
Rui Barbosa e Benjamin Constant). Além do PC do B e do PSTU, Leny Campelo e o
PPL já se alinharam e a Assembleia de Deus também comunicou que está unida no
apoio total ao candidato do PSOL à prefeitura de Belém. Hoje, em plena sessão
da Alepa, o deputado João Salame (PPS), prefeito eleito de Marabá, declarou seu
apoio a Edmilson.
Zenaldo Coutinho (PSDB), além da ampla
coligação
(PSDC / PMN / PTC / PSB / PRP / PSDB / PSD /
PT do B), tem o apoio ostensivo do governador Simão Jatene, que está cuidando
pessoalmente da articulação com os outros partidos. A irresistível atração dos
partidos pelas benesses governistas pode funcionar como polo determinante da
vitória de Zenaldo.
Mas aí é que se
insere o imponderável. Não é segredo que Arnaldo Jordy (PPS) saiu magoado da
disputa, em que foi jogado às piranhas pelo
governo (até o vice-governador Helenilson Pontes, que é do seu partido, viajou
para o Exterior na reta final das eleições). O controle da Secretaria de Saúde
talvez não seja suficiente para mantê-lo na aliança.
Por sua vez, o
PMDB e Priante saem chateados com a derrota e alarmados com a possibilidade de
hegemonia tucana na Região Metropolitana de Belém (já têm Ananindeua e
Marituba) e Santarém, os maiores colégios eleitorais do Pará. E não querem, é
lógico, ficar por baixo nas
composições para 2014. Daí que já começaram a fazer exigências que incluem a
presidência da Alepa. Além de vaga no TCM, é claro.
O PP é uma incógnita.
Dirigido por Gerson Peres, que está ansioso pela fatia negociada na máquina
estadual, é ruim de voto. Só fez um vereador em Belém, Wandick Lima – cuja
liderança é pessoal, resquício de sua trajetória como jogador de futebol – e,
por sua vez, o fenômeno Jefferson Lima sabe que seu desempenho nas urnas nada
tem a ver com o partido que lhe deu legenda e já avisou que não será tutelado.
Vai decidir sozinho quem apoiar no segundo turno. É aí que a porca torce o rabo, como diz o caboclo.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *