O procurador do Ministério Público do Trabalho Sandoval Alves da Silva tomou posse na chefia da Procuradoria Regional do Trabalho da 8ª Região para o biênio de 2021-2023 enfatizando o papel decisivo do MPT na garantia dos direitos humanos. O…

Prevaleceu o bom senso e o cuidado com as pessoas. O prefeito Edmilson Rodrigues ouviu o secretário municipal de Saúde, Maurício Bezerra, e técnicos responsáveis pela vacinação e enfrentamento à Covid-19, e cancelou os desfiles das escolas de samba, blocos…

Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Trama macabra em Santarém

O Fórum de
Santarém é palco do julgamento mais polêmico do ano. O advogado Wilton Walter Moraes Dolzanis é
acusado de mandar assassinar o também advogado Walter Cardoso, em 10.09.1996, em plena campanha para vereador.
O depoimento do
jornalista e advogado Sérgio Fonseca, ontem, foi explosivo. Ele relatou que
havia uma lista negra para por fim à
vida de várias pessoas, entre as quais a vítima. E que recebeu a informação de
uma fonte de que a morte de Walter teria sido “presente de
aniversário” de Raimundo Messias, o Dinho,
que era estagiário do juiz Ademar
Evangelista, da 4ª Vara Penal de Santarém, à época, e já advogava e
influenciava até decisões judiciais. Disse ainda que o crime foi tramado pelo grupo
integrado pelos advogados Walter Dolzanis e Lavor Filho, o tributarista
Admilton Almeida, dono da AFA Contabilidade e do Jornal O Impacto e o
empresário Ronaldo Moreira, da área de combustíveis, figuras muito conhecidas
na cidade. E que todos se reuniam no escritório de Almeida. A motivação para
Dolzanis querer Walter morto seria o fato de ter perdido para ele seu principal
cliente: a família do ex-prefeito de Itaituba Wirland Freire.
A lista dos
marcados para morrer incluía a própria testemunha e o jornalista Celivaldo
Carneiro, editor da Gazeta de Santarém, além do secretário municipal Osmando
Figueiredo.
Os executores
foram Rui Hudson Duarte Ferreira, o “Gavião” (fugiu de penitenciária
federal e foi preso ontem em Santarém), e Ademailton Cordeiro de Moraes, o
“Pernambuco” (está morto).
“Dinho”
foi julgado e condenado como contratante dos pistoleiros, mas acabou assassinado
quando saiu em liberdade condicional. O
júri dos seus matadores está marcado para o fim deste mês, em Itaituba.
Foram arroladas
22 testemunhas, entre policiais, advogados e jornalistas, mas o MP desistiu de algumas,
outras não foram localizadas ou ainda dispensadas pelas partes. O juiz Gérson Marra Gomes preside o
Tribunal do Júri e o promotor de justiça Cláudio Lopes Bueno sustenta a acusação.
Pela defesa atuam
os advogados Luís Alberto Mota Figueira, Benone do Amaral, José Ronaldo Campos
e Kelly Lobo. Causou estranheza que o pai de um dos advogados, o ex-prefeito de
Santarém Ronaldo Campos, tenha funcionado
como testemunha a favor do réu. 



Esclarecimento: o ex-prefeito José Ronaldo Campos de Souza não é pai do
advogado José Ronaldo Dias Campos, e sim cunhado. Há apenas uma coincidência de
sobrenomes.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *