Aprovado à unanimidade pela Assembleia Legislativa, o projeto de lei nº 245/2021, de autoria do Poder Executivo, dispondo sobre a denominação do Arquivo Público do Estado do Pará, em homenagem ao jurista e professor paraense Zeno Augusto de Bastos Veloso,…

Ontem duas famílias viveram momentos de terror, vítimas de assalto à mão armada por volta das 13 horas, durante passeio no Parque do Utinga, um dos lugares mais lindos de Belém e importante equipamento turístico parauara. Trata-se do oitavo roubo…

Em iniciativa inédita, o Fórum de Entidades em Defesa do Patrimônio Cultural Brasileiro celebra os percursos individuais e coletivos que construíram as políticas de salvaguarda do patrimônio cultural no Brasil, lançando a obra “Em Defesa do Patrimônio Cultural”, organizado por…

Neste sábado, 16, postos de saúde ficarão abertos para a vacinação com foco em menores de 15 anos. Em Belém, 11 unidades vão funcionar das 8h às 14h. A campanha da Multivacinação iniciou no dia 04 de outubro e segue…

Tragédias nos rios da Amazônia

No Pará os rios são as principais vias públicas, por onde trafegam canoas, catraias, igarités, rabetas, po-po-pôs, batelões, lanchas, balsas, empurradores, rebocadores, ferry boats e navios. Apesar da tradição e da imensidão de águas da maior bacia fluvial do planeta, o transporte hidroviário na Amazônia nunca teve do poder público a atenção necessária no controle e fiscalização. Não existem estatísticas oficiais do número de embarcações comerciais e privadas, nem mesmo dos frequentes acidentes – naufrágios, colisões, incêndios, escalpelamentos, explosões – que vitimam os ribeirinhos.

Nesta quinta-feira o jornalista paraense Evandro Corrêa lança, a partir das 19 horas, no auditório da livraria Saraiva, no 2º andar do shopping Doca Boulevard, em Belém, o livro ” Sobral Santos II e Novo Amapá – 40 anos das tragédias que abalaram o Brasil”, com relatos, entrevistas, fotos e detalhes inéditos do célebre naufrágio no porto de Óbidos, na madrugada do dia 19 de setembro de 1981, que ceifou mais de trezentas vidas.

Consta que o Sobral Santos transportava cento e cinquenta passageiros além da sua capacidade normal, que era de quatrocentas pessoas, e mais sete mil e seiscentos engradados de bebidas, mil sacos de farinha, mil e quinhentas caixas de tomate e quinhentos balões de oxigênio. Famílias inteiras morreram na tragédia, paraenses, brasileiros de vários estados e também estrangeiros.  

A obra também aborda o naufrágio do barco Novo Amapá, que afundou em Almeirim, em janeiro de 1981, matando centenas de pessoas. A queda de um avião fretado pelo jornal A Província do Pará para cobrir a tragédia, que resultou na morte do piloto e de um repórter, também é narrada, assim como os naufrágios dos navios Ana Karolinne III, Haidar Beirute, Correio do Arari e São José do Acará, além do rebocador da Bertolinni.

O livro será lançado em Santarém no próximo dia 19, no auditório do hotel Barrudada, a partir das 19h, e em Itaituba, no dia 21 de outubro às 20h, no auditório do hotel Acácia. É possível comprar exemplares pelos telefones 91- 98126-2993 e 9i-98284 3175.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *