A sesquicentenária samaumeira que perdeu seus galhos na madrugada desta segunda-feira (6) é memória afetiva de todos os paraenses e até de gente de fora do Pará e do Brasil que frequenta Belém durante o Círio de Nazaré. Localizada em…

O Tribunal Regional Eleitoral do Pará oficializou o resultado da eleição suplementar em Viseu 39 minutos após o encerramento da votação. Foi eleito prefeito Cristiano Vale (nº 11 – PP – Voltando pra Cuidar da Gente) e vice-prefeito Mauro da…

Nem bem foi inaugurado, e ainda faltando a instalação dos bancos e finalização, o calçadão da Avenida Beira-Mar, em Salinópolis, sofreu diversas avarias. A Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Obras acionou a empresa responsável pela obra, que está executando ações…

A expectativa era grande em relação à ida do governador Helder Barbalho à Assembleia Legislativa para a leitura da Mensagem na instalação da 61ª Legislatura. Funcionou como uma espécie de termômetro da Casa, que abriga novos deputados na oposição, e…

Tráfico humano

O deputado João Salame (PPS) é o presidente da CPI que vai investigar o tráfico de seres humanos no Pará. Carlos Bordalo (PT) é relator, e Celso Sabino (PR) vice-presidente. A iniciativa foi do deputado Edilson Moura (PT).
A Comissão foi instalada pelo presidente da Alepa, deputado Manoel Pioneiro (PSDB), que assegurou total apoio para o seu funcionamento. Estiveram presentes representantes de diversas entidades, como a Irmã Henriqueta, da CNBB.
Cada ser humano privado da liberdade é vendido aos mercadores por cerca de trinta mil dólares. Em 2008 cerca de 500 mil pessoas foram vítimas de tráfico humano na Europa. E, desse total, 75 mil eram brasileiros. Na maioria dos casos são jovens e mulheres, afrodescendentes com baixa escolaridade e desempregados, que são atraídos por promessas de bons empregos e uma vida melhor. Sem passaportes, lá são escravizados para atividades sexuais ou econômicas“, denunciou Salame, ressaltando denúncias de que o comércio ilegal de órgãos do corpo humano também se beneficia do tráfico, na sua forma mais hedionda.
A região amazônica é uma das que mais fornece vítimas para essas redes criminosas. Há também o tráfico interno, com pessoas sendo vendidas para trabalhar em garimpos isolados, geralmente na prostituição, ou mão-de-obra escrava em fazendas. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *