Governador do Pará e presidente do Consórcio de Governadores da Amazônia Legal, Helder Barbalho está com agenda intensa em Brasília, e em reunião com Lula nesta sexta-feira (27) apresentou documento proposto pelo CAL. Para o desenvolvimento regional do bioma amazônico,…

O Papa Francisco nomeou o atual bispo da prelazia de Marajó (PA), Dom Evaristo Pascoal Spengler, bispo de Roraima (RR), que estava sem titular há um ano, desde a transferência de Dom Mário Antônio da Silva para a arquidiocese de…

Utilizar o futebol como ferramenta de transformação social para crianças e adolescentes de todo o Pará é o objetivo do projeto "Futebol Formando Cidadão", que será lançado neste domingo (29) no oeste paraense. A iniciativa é do Tapajós Futebol Clube,…

No próximo sábado, 28, é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Esta semana, foram divulgados dados da Secretaria de Inspeção do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) referente a 2022, quando foram resgatados 2.575 trabalhadores em condições análogas…

Tráfico de pessoas

O tráfico de pessoas é uma prática antiga. Este fenômeno perverso adquiriu novas formas a fim de perpetuar-se, representando atualmente, grave ofensa aos direitos humanos brutalmente nesta atividade criminosa desprezados.
No Pará e respondendo a denúncias da Igreja do Regional, a Câmara Legislativa tem instalado um CPI contra o tráfico de pessoas que entre nós apresenta uma incidência alta de casos e de perversidade especifica. As características fronteiriças tanto geográficas como de regiões em desenvolvimento acelerado possibilita uma freqüência enorme de crimes poucas vezes conhecidos suficientemente pelas autoridades de nosso Estado e dificilmente reprimidas de modo eficaz.
Esta modalidade de crime organizado no Pará em conexão muitas vezes com o tráfico de drogas e exploração sexual de menores é uma grave violação dos direitos humanos, ofendendo a sua dignidade e transformando a pessoa em mercadoria.
O fato de o homem ser a única criatura por si mesma amada por Deus, dada sua condição única de imagem e semelhança dele e resgatada pelo mistério da redenção de Cristo no seu sangue, nos motiva fortemente a entrar decididamente como pessoas e membros da comunidade da Igreja neste combate necessário contra o tráfico humano que normalmente encontra suas formas mais freqüentes entre nós no tráfico de pessoas para fins de exploração sexual, trabalho escravo e remoção de órgãos.
Na Região do Marajó, por exemplo, são conhecidas rotas de tráfico humano como a que inicia em Breves, passa por Macapá e através do Oiapoque penetra na Guiana Francesa, província da França. É conhecida outra rota que saindo de Portel, via Breves, Belém, Guarulhos chegava a Madri, na Espanha… A rota de Suriname é comentada nas conversas do povo do interior de Marajó como atividade bem conhecida de tráfico humano.
Todo Pará é conhecedor da atividade intensa de tráfico humano no aeroporto internacional de Belém e do qual algumas noticias tem transcendido ao público paraense.
A igreja ao reconhecer a dignidade inerente a todos os membros e os seus direitos iguais e inalienáveis, ao mesmo tempo que combate por eles, edifica o fundamento da liberdade, da justiça e a paz no mundo.
Este combate contra o tráfico de pessoas exige algumas ações necessárias como: prevenção, trabalho em rede, acolhida às vitimas e repressão.
Este combate ao tráfico humano é um serviço à evangelização e a humanidade que supõe risco, um alto risco, até perder a vida.
Membros da Igreja do nosso Regional sofrem perseguição e até ameaças de morte por causa da defesa corajosa das pessoas tiranizadas nesta atividade criminosa. Oremos pela resistência na fé e no testemunho com obras e as imitemos sacudindo o comodismo e o descompromisso com uma sincera conversão não somente à Palavra proclamada, mas à Palavra vivida intensa e corajosamente testemunhada. Do contrário, não entraremos no Reino doas céus. (MT 7; Lc 6)”
Dom José Luiz Azcona
Bispo do Marajó

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *